Sunday, October 27, 2013

Militância SOCIALISTA-COMUNISTA ataca Cel. Licio Maciel.

Notas – Parte II.
Bruno Braga.



I.




BIZOCA.

Mas vejam que coisa… No dia 22 de Outubro, Heloisa Greco estava à frente da militância SOCIALISTA-COMUNISTA que tentou impedir a palestra do Cel. Licio Maciel no Círculo Militar de Belo Horizonte. Ela é conhecida como... BIZOCA (Cf. foto).

Heloisa – a BIZOCA – é filha da falecida Helena Greco, que foi uma das fundadoras do PT – sim, do PT – em Minas Gerais e vereadora pelo partido em Belo Horizonte por dois mandatos. Em memória da mãe, que segundo a filha se vangloriava de ser uma “militante socialista de extrema esquerda”, BIZOCA conduz o Instituto Helena Greco, uma instituição que agrega ANARQUIA e SOCIALISMO-COMUNISMO (cf. foto). BIZOCA protestou na porta do Círculo Militar contra a morte de guerrilheiros que no Araguaia tombaram em combate e com armas nas mãos. No entanto, ela faz apologia de regimes genocidas que mataram MILHÕES de compatriotas - civis desarmados - em tempo de paz.


Nota publicada no Facebook em 26 de Outubro de 2013.


II.



“A Nova Democracia”.

O jornal “A Nova Democracia” fez a cobertura da ação de militantes SOCIALISTAS-COMUNISTAS que tentaram impedir a palestra do Cel. Licio Maciel no Círculo Militar de Belo Horizonte. Evento que aconteceu no dia 22 de Outubro. “A Nova Democracia” é uma publicação “revolucionária”, que faz apologia do comunismo chinês e soviético, os regimes mais opressores e genocidas da história da humanidade.
O comportamento de um dos fundadores do jornal é uma amostra encarnada da orientação – e do propósito – da publicação. Na foto abaixo, José Maria Galhasi posa ao lado de um “mascarado” em um protesto no Rio de Janeiro. Galhasi tem 87 anos. O Cel. Licio Maciel, 85. Galhasi veste uma camisa com a marca do regime soviético, responsável pela morte de milhões de civis inocentes e desarmados. O jornal “A Nova Democracia” – a publicação de Galhasi – indigna-se contra o Cel. Licio, que participou da guerrilha no Araguaia e combateu revolucionários armados, treinados e patrocinados por países SOCIALISTAS-COMUNISTAS, e que pretendiam reproduzir no Brasil a “ditadura do proletariado”.


Nota publicada no Facebook em 26 de Outubro de 2013.


III.




Jornal da Alterosa (MG). Em vez de jornalismo, publicidade SOCIALISTA-COMUNISTA contra o Cel. Licio Maciel.

No dia 22 de Outubro, no Círculo Militar de Belo Horizonte, o Cel. Licio Maciel proferiu uma palestra sobre a guerrilha do Araguaia. O Jornal da Alterosa (MG) registrou a tentativa dos militantes SOCIALISTAS-COMUNISTAS de impedir a realização do evento. (Cf. [http://www.alterosa.com.br/app/belo-horizonte/noticia/jornalismo/ja---1ed/2013/10/23/noticia-ja-1edicao,98284/manifestantes-protestam-contra-tenente-do-exercito.shtml]).

No entanto, o jornal - em vez de cumprir com o seu ofício, jornalismo - promoveu a militância dos agitadores. Reproduziu o discurso SOCIALISTA-COMUNISTA sem sequer ouvir a posição dos militares. E mais. Refere-se à guerrilha no Araguaia como “movimento de RESISTÊNCIA”, ocultando o que realmente foi: uma tentativa alucinada de erguer o SOCIALISMO-COMUNISMO no Brasil.

Além disso, a reportagem afirma que José Genoino foi um dos “sobreviventes” do conflito, dando a impressão de que o “guerrilheiro de festim” foi um bravo e destemido combatente. Que nada. Genoino foi surpreendido no meio da mata, e para tentar se safar, fingiu ser um morador da região. Pior. Capturado, ele entregou os seus companheiros sem tomar um tapa na orelha [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/10/como-assim-genoino.html].

A reportagem do Jornal da Alterosa parece mesmo uma peça produzida pelos manifestantes. Tanto que a “Liga Operária” deixou de lado o discurso contra a “mídia golpista”, “submetida aos grandes interesses do capital”, para reproduzi-la em seu canal (Cf. fonte do vídeo indicado).


Nota publicada no Facebook em 26 de Outubro de 2013.


ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. “Militância SOCIALISTA-COMUNISTA ataca Cel. Licio” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/10/militancia-socialista-comunista-ataca.html].
______. “A Nova Democracia” [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/05/nova-democracia.html]. Neste artigo eu aponto não apenas a orientação SOCIALISTA-COMUNISTA da publicação; denuncio também um grave “erro” jornalístico na cobertura da reintegração de posse do Pinheirinho, em São Paulo.


Friday, October 25, 2013

Delinquência juvenil.

Bruno Braga.


José Dirceu – mensaleiro e chefe de quadrilha – em manifestação estudantil em São Paulo, 1968.


A idealização da juventude da década de 60 e 70 erigiu ícones e consagrou uma mitologia de “luta pela democracia”. Uma falsificação da história – confessada por revolucionários da época [1] – que foi consagrada como dogma indiscutível por intelectuais e militantes que instrumentalizam a cultura e o sistema educacional.  Uma falsificação que afeta a percepção e a compreensão da onda de protestos que tomou o país nos últimos meses.

Não fosse romantizada aquela juventude – uma MENTIRA premeditada -, o cidadão comum teria menos dificuldade, ele não se sentiria confuso – nem sequer constrangido por contestar “ídolos” – para reconhecer a má-fé do jornalismo engajado e da militância ostensiva de uma “intelectualidade” boboca, que não medem esforços para travestir o BANDIDO de MANIFESTANTE, para maquiar o CRIME como PROTESTO.

O Congresso da UNE em Ibiúna (1968) foi transformado em símbolo da “repressão” militar contra os estudantes. No entanto, Paulo de Tarso Venceslau revelou: “A gente tinha muita arma, revólveres, pistolas, metralhadoras, coquetéis molotov... Mas estava tudo enterrado. Não tivemos como usá-las”. Posteriormente, integrantes da organização ALN retornaram a Ibiúna e recuperaram as armas e as bombas que seriam utilizadas em atentados terroristas (CABRAL, pp. 59-66).

Na década de 70, a polícia apreendeu no Conjunto Residencial da USP (Crusp) - base do movimento estudantil da época – um verdadeiro arsenal: uma espingarda Winchester 44; uma espingarda Colt calibre 36; uma espingarda Boston calibre 36 de cano duplo; um rifle calibre 22; uma espingarda Browning de repetição; dois facões; uma adaga; um punhal; uma pistola Steyr 765; um revólver calibre 32; cinco metros de estopim; dois cartuchos de pólvora; uma caixa de espoleta; dois estilingues; um morteiro; dezesseis coquetéis molotov e uma lata de querosene (CABRAL, p. 45).

Certamente, se ao cidadão fosse dito que aqueles jovens e estudantes não lutaram por “democracia” coisíssima nenhuma, que eles eram apenas instrumentos para a implantação do SOCIALISMO-COMUNISMO no país - então, ele, o cidadão, poderia desenrolar o novelo das badernas, do caos e da destruição promovidos por estudantes hoje. No final – na ponta da linha – estão os delinquentes juvenis de outrora, agora promovidos aos postos de comando e elevados às instâncias de poder. Porém, eles conservam os mesmos propósitos: um funesto projeto revolucionário.   


Referências.

[1]. Por exemplo, por Fernando Gabeira, que admite: os revolucionários que pegaram em armas lutavam – não pela “democracia” -, mas para implantar no Brasil uma ditadura do proletariado SOCIALISTA-COMUNISTA [http://www.youtube.com/watch?v=eO5XQsP7lnM].


Artigos recomendados.

BRAGA, Bruno. “Notas sobre a onda de protestos no Brasil” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/06/notas-sobre-onda-de-protestos-no-brasil.html].
______. “Nota sobre o poder e o disfarce revolucionário” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/06/nota-sobre-o-poder-e-o-disfarce.html].
______. “O Terrorismo PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/10/o-terrorismo-petista-socialista.html].

Thursday, October 24, 2013

Militância SOCIALISTA-COMUNISTA ataca Cel. Licio Maciel.

Notas.
Bruno Braga.


I.



No dia 22 de Outubro, o Cel. Licio Maciel proferiu uma palestra intitulada “Guerrilha do Araguaia” no Círculo Militar de Belo Horizonte. Porém, um grupo de manifestantes o aguardava no local. Ele foi recebido com palavras de ordem, com gritos de “Assassino! Assassino!”.

O Cel. Licio Maciel participou do combate no Araguaia. Contribuiu ativamente para coibir o delírio revolucionário que pretendia fazer do Brasil – através do conflito armado – um país SOCIALISTA-COMUNISTA. Portanto, estes protestos expressam uma autovitimização repugnante. Ora, estes cretinos não queriam guerra? Os guerrilheiros não eram apenas jovens “idealistas”. Eles receberam treinamento, patrocínio e armas de países comunistas. Se os manifestantes gritam “Assassino!”, então deveriam esgoelar contra os seus próprios “heróis”. Porque a primeira morte no Araguaia foi de um militar. O Cabo Odílio Cruz Rosa foi assassinado de maneira covarde e traiçoeira enquanto tomava banho. Os guerrilheiros promoveram “justiçamentos” – executaram seus próprios companheiros. Esquartejaram brutalmente um jovem mateiro na frente dos próprios pais.

Manifestações como a que aconteceu em Belo Horizonte são pura encenação. Uma estratégia canalha para fazer prevalecer – através da militância, do grito e do berro – a versão revolucionária da história. O mesmo propósito que tem a Comissão da Verdade – quer dizer, da MENTIRA –, à qual o estado de Minas Gerais recentemente aderiu.


Nota publicada no Facebook em 23 de Outubro de 2013.


II.



O Instituto Helena Greco e a Frente Independente pela Memória, Verdade e Justiça-MG participaram de um “Ato de repúdio” ao Cel. Licio Maciel. O manifesto – uma tentativa de inviabilizar a palestra do Coronel no Círculo Militar, realizada no dia 22 de Outubro, em Belo Horizonte – contou com um “ilustre” apoio formal: Criméia Almeida (Cf. Instituto Helena Greco).

Criméia Schmidt de Almeida é “viúva” de guerrilheiro comunista André Grabois. Ela esteve no Araguaia com seu companheiro. Ficou grávida. Por determinação, as revolucionárias que engravidassem deveriam abortar. No entanto, Criméia foi privilegiada porque vivia com o filho do chefe militar da guerrilha: deixou o combate para dar à luz. Acabou presa, e afirma que foi “torturada” pelos militares durante a gravidez. A denúncia, contudo, destoa da foto abaixo, que foi tirada logo depois do parto, ainda no Hospital de Brasília. Em outra imagem, o batismo do filho, realizado pelo Capelão Militar. O enxoval do bebê foi comprado pelo Exército brasileiro. Houve festinha e até contribuição em dinheiro. Uma semana depois da celebração, o General Bandeira ordenou que Criméia fosse levada – junto com o filho – à casa de seus pais. Ele cedeu o próprio carro e designou um motorista. Criméia, porém, deixou o filho com os avós e retomou as atividades subversivas (MACIEL, 2011, pp. 170, 273-276). Criméia hoje trabalha, sem nenhum pudor, para rasgar a Lei da Anistia e, com isso, punir os “torturadores”.




Nota publicada no Facebook em 23 de Outubro de 2013.


ARTIGOS RECOMENTADOS.

BRAGA, Bruno. “Guerrilha do Araguaia: relato de um combatente” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/06/guerrilha-do-araguaia-relato-de-um.html].


Wednesday, October 23, 2013

Um time de "idiotas úteis".

Bruno Braga.





Em 1963, o Madureira – clube do futebol carioca – fez uma excursão a Cuba. Apesar de modesto, o time foi recepcionado pelo “destemido” – na verdade, fracassado – Comandante TATU (Cf. foto). Recentemente, o Madureira lançou um uniforme comemorativo aos 50 anos da viagem, e homenageou o PORCO psicopata, ícone PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA – Che, um goleiro frustrado -, estampando a famosa foto de Alberto Corda nas camisas. O clube agora negocia com autoridades cubanas a realização da pré-temporada 2014 na ilha dominada pelos irmãos Castro.







ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. “Culto a ‘El Chancho’” [http://b-braga.blogspot.com.br/2011/09/culto-el-chancho_01.html].
______. “Legado PORCO e Pedagogia REVOLUCIONÁRIA” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/07/legado-porco-e-pedagogia-revolucionaria.html].
______. “Homenagem póstuma a Che ‘El Chancho-PORCO’ Guevara” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/10/homenagem-postuma-che-el-chancho-porco.html].
______. “Che Guevara – o PORCO psicopata – ícone PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/10/che-guevara-o-porco-psicopata-icone.html].

DOCUMENTÁRIO. “Che, Anatomia de um Mito”. Dir. Luis Guardia, 2005 [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/06/filmografia-che-anatomia-de-um-mito.html].


Friday, October 18, 2013

O TERRORISMO PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA.

Notas.
Bruno Braga.



I.




TERRORISMO PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA e a quadrilha ANONYMOUS.


A INTERPOL e a Polícia Federal encaminharam um ofício ao Procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro. O documento é um alerta para que as autoridades tomem providências contra ataques cibernéticos e manifestações violentas que seriam realizadas no próximo dia 05 de Novembro (Cf. foto).

O plano teria sido elaborado pelo ANONYMOUS. Grupo que se apresenta publicamente como sendo apartidário, mas promove protestos coordenados com o PSOL. Mantém articulações com o Foro de São Paulo, organização que fomenta o SOCIALISMO-COMUNISMO na América Latina e que tem o PT – o Partido dos Trabalhadores – um dos seus membros mais influentes e poderosos (Cf. Documentos citados nos artigos recomendados).




Nota publicada no Facebook em 15 de Outubro de 2013.

II.





TERRORISMO PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA.


Recentemente descobriu-se que uma quadrilha de ditos “anarquistas” – responsáveis pela violência e pela destruição promovidas em manifestações públicas – se reúne aos finais de semana em cidades do Mato Grosso. Os criminosos passam por treinamento de guerrilha urbana e aprendem a fabricar bombas (coquetéis Molotov). Eles têm instrutores experientes e preparados.

Entre os tais “anarquistas” estão ex-militantes do MST – guerrilha rural COMUNISTA - e dissidentes das FARC – narco-guerrilheiros SOCIALISTAS-COMUNISTAS. Os guerrilheiros Tupamaros e o grupo Anonymous (tido como anarquistas e apartidários). Estes – junto com o próprio MST e as FARC – estão unidos nos projetos do Foro de São Paulo, organização que fomenta o SOCIALISMO-COMUNISMO na América Latina e que tem o PT – o Partido dos Trabalhadores – um dos seus membros mais influentes e poderosos (Cf. Documentos citados nos artigos recomendados).



Nota publicada no Facebook em 16 de Outubro de 2013.


III.




O PCC deu a ordem: “É PRA ELEGER O GENOINO”.

Nas eleições de 2006, o objetivo da facção criminosa era eleger José Genoíno – o “guerrilheiro de festim” e MENSALEIRO – governador do estado de São Paulo. Neste ano o PCC espalhou o caos e o terror – atentados que visavam a proteção das atividades criminosas através da realização das metas eleitorais.

A QUADRILHA é realmente poderosa. O PCC é parceiro das FARC - Fernandinho Beira-Mar negociava armas e cocaína com o grupo narco-terrorista-SOCIALISTA-COMUNISTA -; as FARC, por sua vez, têm uma aliança firmada com o PT. 


Nota publicada no Facebook em 14 de Outubro de 2013.


ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. "A sobrevivência do ideal revolucionário" [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/01/sobrevivencia-do-ideal-revolucionario.html];
______. "O real da revolução digital" - As articulações [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/03/o-real-da-revolucao-digital-as.html];
______. "O real da revolução digital" – o ativismo [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/03/normal-0-21-false-false-false-pt-br-x.html];


Monday, October 14, 2013

Che Guevara - o PORCO psicopata - ícone PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA.

Notas.
Bruno Braga.


I.



Che “El Chancho-PORCO” Guevara – Psicopata assassino, mas também um BEBÊ-CHORÃO.

Símbolo de CORAGEM e BRAVURA. Ícone do panteão PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA – e da hagiografia do Foro de São Paulo. Che – o desastrado Comandante Tatu, que fedia como um porco – era um psicopata sanguinário e COVARDE. Mas, era também um verdadeiro BEBÊ-CHORÃO. É o que conta Humberto Fontova:

“’Quando Fidel começava, o próprio Che Guevara se encolhia em um canto como um cachorrinho choramingando’, disse Miguel Uría, que o conheceu nos primeiros dias da Revolução. ‘Especialmente quando Fidel começava a insultá-lo. Era constrangedor. Você nunca ouviria tantos xingamentos, tal abuso selvagem. Eu quase tinha pena daquele argentino imbecil, assassino e (o que ficava cada vez mais evidente) chorão” (FONTOVA, 2012, p. 55).

Nota publicada no Facebook em 10 de Outubro de 2013.


II.



Che Guevara – o PORCO psicopata – e o programa “Mais médicos”.

Che – o desastrado e incompetente Comandante Tatu – é mesmo o ícone adequado para representar o programa “Mais médicos” do governo PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA. Não por causa da história romântica que o coloca como modelo de dedicação à atividade. E nem pelo motivo de solidariedade alegado cinicamente pelos médicos cubanos que desembarcaram no Brasil. É porque – assim como estes – não há registro confiável de que Che “El Chancho-PORCO” tenha sido de fato médico.

Humberto Fontova relata a farsa no livro “O verdadeiro Che Guevara: e os idiotas úteis que o idolatram” (É Realizações: São Paulo, 2009. p. 69). E Enrico Ros – autor de “Che – Mito y Realidad” – promoveu uma investigação junto à Universidade de Buenos Aires, onde o guerrilheiro supostamente teria obtido o título. Verificou as incongruências de dois programas de cursos apresentados. Constatou uma série de absurdos. Por exemplo. Che teria sido aprovado em 15 disciplinas (quase a metade do necessário para obter o doutorado) em apenas 3 meses, sem participar das aulas e práticas. Deveria ter cumprido 25 horas diárias de carga horária para obter o título. Diante destes disparates, Ros resolveu enfim solicitar uma cópia do expediente acadêmico de Che à Universidade de Buenos Aires. Ele foi informado pela instituição que os documentos daquele ilustre universitário tinham sido roubados.

NOTA. O artigo de Enrico Ros – “Ernesto Guevara: Su cuestionable titulo de Médico” – pode ser lido em espanhol neste link: [http://verdaderoche.blogspot.com.br/2007/10/ernesto-guevara-su-cuestionable-ttulo.html].


Nota publicada no Facebook em 10 de Outubro de 2013.


III.


“Che Guevara, o porco assassino”.

Paulo Martins (JM-SBT) fala sobre Che “El Chancho-PORCO” Guevara – o psicopata sanguinário que é uma espécie da “mártir” da revolução e ícone do panteão PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA. “Um PORCO que é ícone POP” [...] “uma grife que veste IDIOTAS”.

Nota publicada no Facebook em 10 de Outubro de 2013.


ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. “Culto a ‘El Chancho’” [http://b-braga.blogspot.com.br/2011/09/culto-el-chancho_01.html].
______. “Legado PORCO e Pedagogia REVOLUCIONÁRIA” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/07/legado-porco-e-pedagogia-revolucionaria.html].
______. “Homenagem póstuma a Che ‘El Chancho-PORCO’ Guevara” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/10/homenagem-postuma-che-el-chancho-porco.html].

DOCUMENTÁRIO. “Che, Anatomia de um Mito”. Dir. Luis Guardia, 2005 [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/06/filmografia-che-anatomia-de-um-mito.html].


Wednesday, October 09, 2013

Homenagem póstuma a Che "El Chancho-PORCO" Guevara.

Bruno Braga.



Há exatamente 46 anos – no dia 09 de Outubro, na Bolívia – morria Che Guevara. Uma espécie de “mártir” da revolução SOCIALISTA-COMUNISTA, o guerrilheiro é símbolo de CORAGEM e BRAVURA, de LUTA e SACRIFÍCIO por um “ideal” de “mundo melhor”.

Uma forma de homenageá-lo – e de reconhecer as “virtudes heroicas” do revolucionário que detestava tomar banho, e por causa do "agradável" odor que exalava era conhecido como PORCO (“El Chancho”) - é contar a reação dele diante da MORTE - ao ser capturado. Para isso, no entanto, é necessário contar antes as circunstâncias da morte de outro rebelde.

Tony Chao lutou contra Fulgencio Batista. Contudo, logo se virou contra os revolucionários que assumiram o poder. Fidel, Che e seus asseclas estabeleceram um regime de terror. Promoviam saques, roubalheira generalizada, prisões em massa e pelotões de fuzilamento. Tony empunhou sua velha carabina, mas foi preso pelas forças de segurança – que metralharam as pernas do rebelde para capturá-lo vivo, e assim, simularem um julgamento que servisse de exemplo para aqueles que ousassem se levantar contra os revolucionários SOCIALISTAS-COMUNISTAS. Tony foi encarcerado em La Cabaña e sentenciado à pena de morte por fuzilamento.  

Humberto Fontova – baseado no relato de testemunhas – narra como foi a execução de Tony Chao. A citação é longa, mas é imprescindível:  

“No caminho para a estaca, naquele velho forte espanhol transformado em prisão e campo de extermínio, Tony foi forçado a descer escadas de paralelepípedo quando mal conseguia ficar em pé. Novamente, Tony gritou maldições terríveis e afiadas. ‘Puxa-saco dos russos!’, Tony berrou quando foi arrastado para fora. ‘Maricones!’

Até que um guarda perdeu a paciência. ‘Cabrón!’ Ele arrancou as muletas de Tony enquanto outro notável comunista chutou o combatente da liberdade por trás. Tony rolou escada abaixo até cair de costas sobre as pedras lá embaixo, contorcendo-se e fazendo caretas de dor. Uma das pernas de Tony havia sido amputada no hospital; a outra estava gangrenando e coberta de pus. Os guardas castristas gargalhavam enquanto se preparavam para tapar a boca de Tony com um pedaço de fita. Tony ficou observando-os se aproximar e cerrou o punho da mão que ainda estava boa. Assim, quando o comunista se aproximou, pá, um direto no meio dos olhos. O castrista cambaleou para trás.

O outro castrista correu em direção a Tony, que conseguiu pegar a muleta e a usou para esmagar o rosto do comunista nojento. ‘Cabrón!’

‘Nunca entendi como ele sobreviveu àquela surra’, disse a testemunha Hiram Gonzalez, que assistiu a tudo de sua janela no corredor da morte. O aleijado Tony quase foi morto com chutes, socos, coronhadas, mas finalmente seus algozes, ofegantes, pararam de bater nele, enquanto esfregavam os próprios arranhões e machucados. Eles conseguiram passar a fita em sua boca, mas Tony os empurrou antes que pudessem amarrar suas mãos. O comandante acenou, ordenando que se afastassem.

Então, Tony rastejou até a estaca de execução, já lascada e muito manchada de sangue, a 50 metros dali. Ele se arrastou com as mãos, enquanto sua perna deixava um rastro de sangue na grama. Quando estava próximo da estaca, parou e começou a bater no próprio peito. Os carrascos estavam perplexos. O garoto aleijado estava tentando dizer alguma coisa.

O olhar vivo e as caretas de Tony falavam por si. Mas ninguém conseguia entender o murmúrio do garoto. Tony fechou os olhos bem apertado por causa da agonia do esforço. Os carrascos hesitavam de forma nervosa, levantando e baixando os rifles. Eles olhavam para o comandante, que encolheu os ombros. Finalmente, Tony arrancou a fita da boca.

O guerreiro da liberdade de 20 anos de idade gritou para seus executores: ‘Atirem em mim aqui!’ Sua voz estava estremecida, e a cabeça balançava por causa do esforço de gritar. ‘Bem no peito!’, Tony gritava. ‘Como um homem!’ Tony abriu, então, a camisa, batendo no peito e fazendo caretas diante dos executores boquiabertos e confusos. ‘Bem aqui’, gritava.

Em seu último dia de vida, Tony recebeu uma carta da mãe. ‘Meu filho querido’, ela dizia, ‘quantas vezes pedi para que não se envolvesse com essas coisas? Mas eu sabia que meus pedidos seriam em vão. Você sempre exigiu sua liberdade, Tony, mesmo quando ainda era apenas um garoto. Portanto, eu sabia que nunca apoiaria o comunismo. Bem, Fidel e Che finalmente pegaram você. Filho, eu o amo do fundo do meu coração. Minha vida está despedaçada e nunca mais será a mesma, mas tudo o que resta agora, Tony, é morrer como um homem.

‘Fuego’, gritou o comandante de Fidel, e as balas perfuraram o corpo aleijado de Tony assim que ele alcançou a estaca, se levantou e olhou resoluto para seus assassinos. Aquele Tony sem pernas era um alvo difícil, visto que muitas balas não o atingiram. Era hora, portanto, do golpe de misericórdia.

Normalmente, basta uma 45 milímetros para perfurar o crânio. Testemunhas disseram que, para Tony, foram necessárias três. Parece que as mãos dos carrascos estavam tremendo demais” [1].

Che Guevara, por sua vez – o modelo de CORAGEM e VALENTIA, de FORÇA e DESTEMOR – quando capturado gritou:

“Não atirem! Sou o Che! Eu valho mais para vocês vivo do que morto!” [2].

Esta é a BRAVURA de Che Guevara. Do comandante “Tatu” – que nunca enfrentou um verdadeiro combate. Não sabia sequer manejar uma arma. Em certa ocasião disparou de raspão contra o próprio rosto. A única habilidade de Che era comandar pelotões de fuzilamento. Sentia-se forte e soberano assinando sentenças de morte em La Cabaña. “El Chancho-PORCO” era de fato um psicopata covarde. Porém, é objeto de idolatria – admirado e cultuado não só por “idiotas úteis”, mas pelo grupo político SOCIALISTA-COMUNISTA que nele se inspira e que hoje administra o país – que dá as ordens na América Latina através do Foro de São Paulo.  


Notas.

[1]. FONTOVA, Humberto. “Fidel”: o tirano mais amado do mundo. Leya: São Paulo, 2012. pp. 129-132.  

[2]. Idem, p. 132.


Artigos recomendados.

BRAGA, Bruno. “Culto a ‘El Chancho’” [http://b-braga.blogspot.com.br/2011/09/culto-el-chancho_01.html].
______. “Legado PORCO e Pedagogia REVOLUCIONÁRIA” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/07/legado-porco-e-pedagogia-revolucionaria.html].


Documentário. “Che, Anatomia de um Mito”. Dir. Luis Guardia, 2005 [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/06/filmografia-che-anatomia-de-um-mito.html].



A História psicótica costurada pela Comissão da MENTIRA.

Bruno Braga.

Solange Lourenço Gomes


Não é preciso muita perspicácia para identificar os absurdos promovidos pela Comissão da Verdade. No entanto, há um obstáculo para reconhecê-los. Um véu cultural costurado - sobretudo no meio universitário - e disseminado pelo sistema educacional e pela intelectualidade engajada, que consagra a idealização do revolucionário e – de forma simultânea e sumária - condena aos infernos os seus opositores e críticos. O público em geral vê e fala a partir deste “tecido”, de modo que os disparates mais evidentes – que seriam suficientes para rasgá-lo – passam-lhe despercebidos. Exemplo disso – mais um, entre tantos outros – foi a audiência realizada pela Comissão da Verdade de São Paulo no de 07 de Junho de 2013, que tinha o propósito de reconstituir a história da revolucionária Solange Lourenço Gomes.

Belisário dos Santos Júnior, advogado que foi relator do caso na Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos da Secretaria de Direitos Humanos, abriu a sessão. Ele apresentou algumas teses no mínimo “extravagantes”. Para determinar o que aconteceu com Solange, reivindicou um tipo especial de tortura: a “tortura presumida”. Apesar de a militante revolucionária não ter sido torturada, para o doutor Belisário, não importa. Não interessa se houve tortura “real” ou “imaginária” – “tortura imaginária?!” -, porque segundo o ilustre advogado, Solange Lourenço Gomes – ainda que somente presa - encarnou todos – TODOS! - os revolucionários detidos e barbaramente torturados.

Logo depois falou o irmão de Solange. Um depoimento que exibiu – de maneira “desvelada” – os desatinos do doutor Belisário, e também os da Comissão da Verdade. Gilberto Lourenço Gomes contou que Solange se entregou ESPONTANEAMENTE à polícia, em um SURTO PSICÓTICO. A “doença mental” já havia conduzido uma irmã ao suicídio, e levou Solange à mesma atitude anos mais tarde. Enquanto esteve presa - Gilberto afirmou - Solange não sofreu torturas físicas. Ela sofreu, disse o irmão, por ter ficado afastada da família durante o período de detenção. Depois do julgamento que a considerou inimputável, determinando que ela cumprisse medida de segurança em um manicômio, o advogado da família – contou Gilberto como se fosse uma conquista - conseguiu a permanência de Solange na prisão, que segundo o irmão era melhor que o manicômio.

Solange Gomes freqüentou um curso sobre “Marxismo”, relembrou Gilberto. Nele a irmã compreendeu que a solução para o Brasil era a “ditadura do proletariado”. Por este ideal ela lutou, e não contra o governo militar, revela Gilberto. A propósito, o historiador Daniel Aarão Reis Filho, que foi o “grande amor” de Solange, tem o mesmo entendimento:  

“As ações armadas da esquerda brasileira não devem ser mitificadas. Nem para um lado nem para o outro. Eu não compartilho da lenda de que no final dos anos 60 e no início dos 70 (inclusive eu) fomos o braço armado de uma resistência democrática. Acho isso um mito surgido durante a campanha da anistia. Ao longo do processo de radicalização iniciado em 1961, O PROJETO DAS ORGANIZAÇÕES DE ESQUERDA QUE DEFENDIAM A LUTA ARMADA ERA REVOLUCIONÁRIO, OFENSIVO E DITATORIAL. PRETENDIA-SE IMPLANTAR UMA DITADURA REVOLUCIONÁRIA. Não existe um só documento dessas organizações em que elas se apresentassem como instrumento da resistência democrática” (“O Globo”, 23 de Setembro de 2001).

O irmão de Solange lembrou que o povo não aderiu ao movimento revolucionário. As pessoas – disse ele – não entendiam as propostas, porque o governo militar era não só “poderoso”, mas BEM-SUCEDIDO. Apesar disso, Solange – assim como os seus “companheiros” – apostava que o sucesso revolucionário compensaria a violência cometida.

Dentro do projeto por uma “ditadura do proletariado” Socialista-Comunista, há pelo menos uma ação registrada com a participação de Solange Gomes. No dia 13 de Setembro de 1970, o grupo terrorista “Dissidente da Guanabara – MR-8” assaltou a churrascaria Rincão Gaúcho, situada na Tijuca, Rio de Janeiro. Os revolucionários se irritaram com o slogan “Ninguém segura o Brasil”, colado em um painel de vidro. Eles então o explodiram e deixaram outra bomba armada, que acabou sendo desativada pela polícia (USTRA, 2012, pp. 376-377).

Gilberto lamenta que a irmã não tenha abandonado as atividades subversivas e terroristas. Principalmente porque – ele conta – Solange NÃO ESTAVA SENDO PERSEGUIDA nem AMEAÇADA. Se ela deixasse o crime não seria identificada. Poderia voltar para casa sem qualquer problema.

Como é possível conservar intacto o véu da mitologia revolucionária depois de ouvir as considerações do Dr. Belisário e o depoimento do irmão de Solange Gomes? Glorificá-lo e, sobretudo, consagrá-lo como a história oficial do país, como é o propósito da Comissão da Verdade, quer dizer da MENTIRA? Os próprios revolucionários, sem vergonha nem pudor, desmentem os seus mitos. No entanto, o público em geral parece hipnotizado por este heroísmo fajuto – ou constrangido por imaginar a conseqüência de contestá-lo: ser apontado como “reacionário”, “direitista” ou “torturador”. É assim que a Comissão da Verdade – quer dizer, da MENTIRA – promove o poder revolucionário – ao custo de transformar o surto de um grupo de “reformadores do mundo” na história psicótica que o público conta como se fosse a memória do seu país.