Sunday, September 11, 2016

"Gritaria" comuno-petista dentro da Igreja.

Bruno Braga.
Notas publicadas no Facebook.


I.

Bandeira do MST é hasteada e sem-terra - grupo de guerrilha do PT e do Foro de São Paulo - são recebidos no Santuário de Aparecida. 

Cf. imagem. "Grito dos Excluídos", 07 de setembro de 2016.


______

ORAÇÃO a NOSSA SENHORA APARECIDA pedindo para AFASTAR DO BRASIL o FLAGELO DO COMUNISMO. 

“Ó Rainha do Brasil, nesta hora de tantos perigos para a nossa Pátria, afastai dela o flagelo do comunismo ateu.

"Não permitais que consiga instaurar-se em nosso País, nascido e formado sob o influxo sagrado da civilização cristã, o regime comunista, que nega todos os Mandamentos da Lei de Deus.

"Para isso, ó Senhora, conservai viva, aumentai a rejeição que o comunismo encontrou em todas as camadas sociais do povo brasileiro. Ajudai-nos a ter sempre presente que:

"1) O Decálogo nos manda 'amar a Deus sobre todas as coisas', 'não tomar seu santo Nome em vão' e 'guardar os domingos e festas de preceito'. E o comunismo ateu tudo faz para extinguir a Fé, levar os homens à blasfêmia e criar obstáculos à normal e pacífica celebração do culto;

"2) O Decálogo manda 'honrar pai e mãe', 'não pecar contra a castidade' e 'não desejar a mulher do próximo'. Ora, o comunismo deseja romper os vínculos entre pais e filhos, entregando a educação destes em mãos do Estado. O comunismo nega o valor da virgindade e ensina que o casamento pode ser dissolvido por qualquer motivo, pela mera vontade de um dos cônjuges;

"3) O Decálogo manda 'não furtar' e 'não cobiçar as coisas alheias'. O comunismo nega a propriedade privada e sua tão importante função social;

"4) O Decálogo manda 'não matar'. O comunismo emprega a guerra de conquista como meio de expansão ideológica e promove revoluções e crimes em todo o mundo;

"5) O Decálogo manda 'não levantar falso testemunho', e o comunismo usa sistematicamente a mentira como arma de propaganda.

"Fazei que, tolhendo resolutamente os passos à infiltração comunista, os brasileiros de todas as classes sociais possam contribuir para que se aproxime o dia da gloriosa vitória que predissestes em FÁTIMA com estas palavras tão cheias de esperança e doçura: 'POR FIM MEU IMACULADO CORAÇÃO TRIUNFARÁ'”. 

II. 

"Grito comuno-petista" e greve dos bancários.

No dia 07 de setembro, no Santuário de Aparecida, Dom Angélico Sândalo Bernardino presidiu a Santa Missa dedicada ao "Grito dos Excluídos". Revoltado com o "sistema" capitalista - chamando-o inclusive de "sem-vergonha" - referiu-se, entre outras questões, à greve dos "bancários". Disse: "nós estamos do lado deles" [...], porque os "banqueiros acumulam fortunas", mas são incapazes de atender às reivindicações dos bancários por melhores salários [1].

Será que é este mesmo o "motivo" da greve dos bancários? Aumento de salário? 

No vídeo abaixo, da Assembléia dos Bancários do Rio de Janeiro, um dos dirigentes sindicais afirma: "nós vamos fazer uma greve POR MUITO MAIS, MUITO MAIS DO QUE SALÁRIO, MUITO MAIS DO QUE CONDIÇÕES DE TRABALHO para os bancários; ESTA É UMA GREVE PARA TODOS OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS, e eu não tenho a menor dúvida que DAQUI VAI SAIR A GREVE GERAL" [...] "esses GOLPISTAS DE MERDA vão ser relegados ao lixo da história" [...] [2].


A greve dos bancários, portanto, é um ato político. Uma paralisação deflagrada por entidades sindicais ligadas ao PT e ao Foro de São Paulo com o propósito de preservar o esquema de poder comunista que foi levemente abalado com o impeachment de Dilma Rousseff.

Dom Angélico - um conhecido apóstolo da Teologia da Libertação - ainda se pronunciou na homilia: "Parabéns, bancários! Nós vamos lutar ao lado de vocês!" [3]. Falta de conhecimento? Má-fé? Compromisso ideológico? Seja lá o que for, é o "grito" que irá entusiasmar tudo aquilo que desgraçadamente se opõe à Igreja Católica.  

III.

O "grito" do pregador da reforma política comuno-petista.

Assista ao vídeo abaixo. Não, não é um sindicalista exaltado com o último "Grito dos excluídos" (07 de setembro). Quem discursa com entusiasmo e zomba da sacristia em cima do caminhão da CUT - central sindical do PT e do Foro de São Paulo - é Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães  - Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte e reitor da PUC Minas. 


Para os que não conhecem Dom Mol ou não se lembram dele, trata-se do "pregador" da reforma política encabeçada pela CNBB que - ardilosamente - promovia o fortalecimento e a ampliação do esquema de poder comuno-petista [4]. Na época da apresentação da proposta, muita gente via a denúncia com suspeita e desconfiança, muitos se negavam a ver a pornografia explícita. Mas, Dom Mol aparece novamente sem o menor pudor, sob os aplausos da legião à qual ele se põe a servir e que cultua tudo o que é contrário à fé católica. 

(*) Fonte do vídeo: "Conservadores". 

IV.

O "grito" do "padre do PT".

No "Grito dos Excluídos" da Arquidiocese de Mariana, escadarias de igreja foram transformadas em palanque para que João fizesse a "pregação" comuno-petista. 

Cf. imagem. Congonhas, Minas Gerais, 07 de setembro de 2016 [5].


V.

Frente Brasil Popular convoca para o "Grito dos Excluídos". 

A tal "Frente" - está escancarado - é composta por militantes, políticos, "intelectuais", sindicatos e movimentos "populares" e "sociais" a serviço do totalitarismo comuno-petista: MST, CUT, Contag, Fora do Eixo, Mídia Ninja, Levante Popular da Juventude, UNE, Via Campesina, ABGLT (Associação de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais), etc. Suas reuniões são prestigiadas inclusive pelo ex-Presidente Lula e por Valter Pomar, ex-Secretário Executivo do Foro de São Paulo [6].

Sendo assim, no "Grito dos Excluídos" - um evento promovido pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) - os integrantes da Frente Brasil Popular gritarão por bandeiras e causas totalmente contrárias à fé católica. Irão esgoelar contra o que chamam de "golpe" e em defesa não só de uma Presidente destituída, mas por um esquema de poder criminoso do qual eles mesmos fazem parte e que os sustentam e paparicam. Enfim, o "Grito dos Excluídos" será mais uma amostra da desgraçada invasão comunista dentro da Igreja. 

VI. 

Ex-Secretário Executivo do Foro de São Paulo faz convocação para o "Grito dos Excluídos". 

Hoje, 07 de setembro, uma boa parte dos parasitas comunistas estará exposta para quem quiser ver. Eles planejam utilizar um evento da CNBB - o "Grito dos Excluídos" - para esgoelar exigências contrárias à fé católica, mas sobretudo esbravejar contra o que chamam de "golpe". 

O fantoche deles foi destituído da Presidência da República. Contudo, mais importante que isso, muito, mas muito mais, é arrancá-los de dentro da Igreja, porque foi daí que construíram - por meio do engano e pela "catequese" ardilosa da Teologia da Libertação - uma das principais bases para a ascensão do esquema de poder criminoso que tomou de assalto o país. 
______

"O reino dos céus é semelhante a um homem, que semeou boa semente no seu campo. E ENQUANTO DORMIAM os homens, VEIO O SEU INIMIGO, E SEMEOU DEPOIS O JOIO NO MEIO DO TRIGO, e foi-se. E tendo crescido a erva e dado fruto, apareceu também então o joio. E chegando os servos do pai de família, lhe disseram: Senhor, porventura não semeaste tu boa semente no teu campo? Pois donde lhe veio o joio? E ele lhes disse: O INIMIGO É QUE FEZ ISSO. E os servos lhe tornaram: Queres tu que nós vamos e a arranquemos? E respondeu-lhes: Não: para que talvez não suceda que, arrancando o joio, arranqueis juntamente com ele também o trigo. DEIXAI CRESCER UMA, e outra coisa até à ceifa, E NO TEMPO DA CEIFA, direi aos segadores: COLHEI PRIMEIRAMENTE O JOIO, E ATAI-O EM MOLHOS PARA O QUEIMAR, MAS O TRIGO RECOLHEIO-O NO MEU CELEIRO". Mateus 13, 24-30.      

VII.

Comunistas "gritam" dentro da Igreja. 

O portal "Vermelho" publicou recentemente uma matéria elogiosa sobre o "Grito dos Excluídos". Cheios de orgulho, os administradores da página oficial do evento no Facebook compartilharam o link para o texto. Veja a imagem [7]. 

O "Vermelho", contudo, é um braço do PCdoB - Partido Comunista do Brasil -, e está comprometido com um esquema de poder criminoso e com uma engenharia social e comportamental incompatíveis com a Igreja. Incompatibilidade que - em tese - deveria ser aplicada ao "Grito dos Excluídos" - uma vez que o evento tem o amparo da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil). 

Sim, é necessário fazer a ressalva "em tese", porque na "prática" os comunistas assaltaram a Igreja e, -com pregações da Teologia da Libertação para ludibriar os católicos - há anos conseguem promover os seus interesses dentro dela. É assim que o próximo "Grito dos Excluídos" será utilizado para protestar contra o que chamam de "golpe" - o impeachment da Presidente comuno-petista que obedecia aos desígnios do Foro de São Paulo.

REFERÊNCIAS.


[2]. [00:55].

[3]. referência [1], [03:18].

[4]. Cf. "Paróquia da capital mineira aberta à pregação comunista: a promoção da reforma política da CNBB" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/paroquia-da-capital-mineira-aberta.html].

[5]. Para quem não conhece João, o deputado federal petista e "apóstolo" da Teologia da Libertação que se apresenta como "padre", leia: "CDHM: "Padre' do PT comanda 'trincheira' comuno-petista" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/cdhm-padre-do-pt-comanda-trincheira.html]; "JOÃO e o seu 'apostolado da revolução'" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/05/joao-e-o-seu-apostolado-da-revolucao.html]; "João: idolatria do "Jararaca", serviço à quadrilha comuno-petista e Teologia da Libertação" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/04/joao-idolatria-do-jararaca-servico.html]; "CNBB: templo do 'apostolado' comuno-petista" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/07/cnbb-templo-do-apostolado-comuno-petista.html]; "O 'padre' do PT: o 'Robert' e a campanha para um agente do Foro de São Paulo" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/04/o-padre-do-pt-o-robert-e-campanha-para.html]; "João - 'vida dupla', improbidade administrativa e guerrilha rural dos sem-terra" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/02/joao-vida-dupla-improbidade.html]; "Os 'padres' que absolveram Dilma" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/os-padres-que-absolveram-dilma.html]; "O 'apostolado' do SOCIALISMO-COMUNISMO em Brasília" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/03/o-apostolado-do-socialismo-comunismo-em.html].

[6]. Cf. "Conciliábulo comunista no Campus Pio XI" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/conciliabulo-comunista-no-campus-pio-xi.html].

[7]. Link da imagem do Facebook: [https://www.facebook.com/grito.dosexcluidos/posts/852768208191017]. Link para o texto do portal "Vermelho": [http://vermelho.org.br/noticia/286002-1].

Sunday, September 04, 2016

"Gritaria" comuno-petista.

Bruno Braga.


Todo ano, no dia 07 de setembro - dia da Independência do Brasil - realiza-se o "Grito dos Excluídos". O evento - com o suporte da CNBB - é dado como uma "manifestação popular" em defesa dos marginalizados, "excluídos", e uma espécie de "ecumenismo" para "fortalecer o compromisso" de pessoas, grupos e "movimentos sociais" empenhados na "prática das lutas" [1].

Na "prática", contudo, o "Grito dos Excluídos" é uma manifestação conduzida e direcionada pelos comunistas que parasitam a Igreja Católica - sob a direção "espiritual" dos "apóstolos" da Teologia da Libertação - com o intuito de favorecer interesses políticos com "causas" e "bandeiras" aparentemente legítimas. No "Grito" deste ano, o propósito está explícito no próprio lema do evento, que utiliza o chavão que enche a boca de qualquer comunistinha rebelde: "sistema" (Cf. imagem). 

Na entrevista coletiva de lançamento, realizada no dia 01 de setembro, Dom Milton Kenan Junior - Bispo da CNBB - dividiu a mesa com organizações comunistas - por exemplo, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) [2] (Cf. imagem) -, e que irão utilizar o disfarce de "movimento social" para protestar contra o "sistema" e também contra o que chamam de "golpe": o impeachment da Presidente petista Dilma Rousseff - títere do Foro de São Paulo [3].

No próximo "Grito dos Excluídos", portanto, os católicos podem esperar por mais uma "gritaria" comuno-petista [4]. Que o triste espetáculo sirva para exergarem de uma vez por todas o grau de parasitismo, do assalto que promoveram dentro da Igreja - da Conferência dos Bispos - para construir um esquema de poder criminoso e frontalmente contrário aos seus princípios e orientações. 


REFERÊNCIAS.


[2]. Cf. "Teologia da Libertação: a transformação comunista da Arquidiocese de Mariana-MG". Material para estudo [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/08/teologia-da-libertacao-transformacao.html].

[3]. Cf. "Repressão não intimida Grito dos Excluídos que sai às ruas dia 7". Vermelho, 01 de setembro de 2016 [http://vermelho.org.br/noticia/286002-1]. 

Sunday, August 28, 2016

O cinismo maçônico.

Bruno Braga.


A TV Gazeta (SP) exibiu recentemente uma matéria sobre o empenho da Maçonaria para conquistar mais "espaço" na política. Para isso, a seita se esforça para apagar o "estigma" de "sociedade secreta" (Cf. imagem) [1].

Acontece que "sociedade secreta" não é "estigma", mas um traço da natureza da Maçonaria, já que ela conserva sim "segredos" e "mistérios" - inclusive entre os próprios "iniciados". Portanto, é absurdo cogitar a participação de uma organização desse tipo - secreta - em uma atividade fundamentalmente pública - a política. A proposta da seita é ainda mais escabrosa: oferecer apoio político nas eleições municipais deste ano e, se eleito, o candidato deverá prestar a ela - à Maçonaria - contas do seu mandato. É o disparate de ter um agente público sendo fiscalizado por uma seita secreta [2].

A reportagem da TV Gazeta traz também uma entrevista com o Grão Mestre do Grande Oriente de São Paulo. Para afastar os tais "estigmas" que pesam contra a Maçonaria, Benedito Marques Ballouk Filho diz querer "desmistificar" - entre outras questões - o seguinte: "A Maçonaria e a Igreja tem os seus litígios. NÃO É VERDADE. NUNCA EXISTIU esse tipo de situação" [3].

Ora, o "Sapientíssimo" não conhece a posição da Igreja a respeito da Maçonaria? É evidente que ele a conhece, uma posição bastante clara: "Permanece portanto IMUTÁVEL o parecer NEGATIVO da IGREJA a respeito das ASSOCIAÇÕES MAÇÔNICAS, pois os seus PRINCÍPIOS foram SEMPRE considerados INCONCILIÁVEIS COM A DOUTRINA DA IGREJA e por isso permanece PROIBIDA A INSCRIÇÃO NELAS. Os FIÉIS que PERTENCEM às ASSOCIAÇÕES MAÇÔNICAS estão em estado de PECADO GRAVE e NÃO PODEM APROXIMAR-SE DA SAGRADA COMUNHÃO" [4]. 

O "Venerável" Grão-Mestre desconhece a história do Grande Oriente? Porque, apenas para citar um exemplo, um dos chefes da seita profetizou: "Se as velhas arquiteturas erguidas pela fé dos séculos permanecem de pé, o triângulo instalará aí a solenidade dos seus rituais; os curas de Notre-Dame cederão seus presbitérios aos pastores do Grande Oriente" [5]. E, por conta de uma convenção do Grande Oriente na França (1906) - onde os ideais maçônicos de "liberdade, igualdade e fraternidade" alimentaram a perseguição e a matança de católicos - um jornal tentava esclarecer os seus leitores: "A vontade da Franco-Maçonaria, ninguém mais o ignora, é DESTRUIR O CATOLICISMO NA FRANÇA. Ela não terá interrupção nem descanso enquanto não o tiver posto abaixo. Todos os seus esforços tendem unicamente para essa finalidade" [6].

É assim que a Maçonaria pretende conquistar mais "espaço" na política - com, no mínimo, um tom de "cinismo". Política na qual sempre esteve envolvida, conspirando e agindo nas sombras sob a proteção do "segredo". Com uma atuação mais ostensiva dos "iniciados", o conselho do Papa Leão XIII para os católicos é mais que oportuno: "Nós desejamos que o vosso primeiro ato seja arrancar a máscara da Maçonaria, e deixar que ela seja vista como realmente é" [7].


REFERÊNCIAS.

[1]. Cf. "Maçonaria busca maior espaço na política", 17 de agosto de 2016 [https://www.youtube.com/watch?v=8N4I4-6KqXI].

[2]. Cf. "Maçonaria: Satanismo, Terrorismo e Política", Nota IV - "Reinserção da Maçonaria na política brasileira" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/08/maconaria-satanismo-terrorismo-e.html].

[3]. Cf. referência [1]. Vídeo [01:57].

[4]. Cf. Congregação para a Doutrina da Fé, "Declaração sobre a Maçonaria" [http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19831126_declaration-masonic_po.html].

[5]. Cf. DELASSUS, Henri. "A Conjuração Anticristã": o templo maçônico que quer se erguer sobre as ruínas da Igreja Católica. Bibliothèque Saint Libère, 2009 [Arquivo digital]. Tomo II, p. 182.

[6]. Idem, Tomo I, p. 141.


ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. "Maçonaria: Satanismo, Terrorismo e Política" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/08/maconaria-satanismo-terrorismo-e.html].

______. "A aliança entre a Maçonaria e o Comunismo". Material para estudo [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/05/a-alianca-entre-maconaria-e-o-comunismo.html].

Sunday, August 21, 2016

Contestando postulados da Teologia da Libertação com Eric Voegelin.

Bruno Braga.
Material para estudo.


I.

"O segundo ponto relevante para a teoria política diz respeito às CARACTERÍSTICAS SOCIAIS das PESSOAS com maior probabilidade de se tornar membros da nova comunidade [cristã]. A principal fonte para compreender a questão vem nos dois grandes sermões, o Sermão da Planície, em Lucas, 6, 17-49, e o Sermão da Montanha, em Mateus 5-7. Provêm, claramente, do mesmo grupo de 'logia', mas a seleção e o trabalho da edição realçam ASPECTOS DIFERENTES do problema. O SERMÃO DA PLANÍCIE realça A PREFERÊNCIA PELOS POBRES sobre os ricos ('Felizes os pobres'); o SERMÃO DA MONTANHA ESPIRITUALIZA as características ('Felizes os pobres no espírito'). AS DIFERENÇAS nos dois conjuntos de bem-aventuranças não devem, contudo, ser sobrestimadas. SERIA ARBITRÁRIO SUPOR QUE A VERSÃO DE LUCAS É A ORIGINAL E A PROVA DE QUE JESUS ERA UM REVOLUCIONÁRIO SOCIAL QUE QUERIA ATACAR OS RICOS, ao passo que o texto de Mateus coloca uma interpretação nova sobre os ditos originais. O problema é outro. A PERGUNTA SOBRE A PROPRIEDADE E A RIQUEZA NÃO É CONSIDERADA UM PROBLEMA SOCIAL, MAS PESSOAL. A posse de riqueza é um OBSTÁCULO PESSOAL para que o homem rico consiga a 'metanoia' ['conversão'] completa. O ENVOLVIMENTO NOS VARIADOS INTERESSES MUNDANOS que vêm com a riqueza DIFICULTA que O CORAÇÃO SE VOLTE para o ponto em que a intelecção do que é correto, e o desejo de fazê-lo, determina a conduta da vida e DIRIGE-O PARA O IMINENTE REINO DOS CÉUS. O REINO QUE NÃO É DESTE MUNDO É MAIS FACILMENTE ACESSÍVEL AOS QUE POUCO INVESTIRAM NO MUNDO".

II.

"A ideia do Evangelho pode tornar-se mais clara quando a comparamos com uma teoria política moderna que assume uma atitude fundamental similar. KARL MARX, nos primeiros escritos, desenvolveu uma TEORIA DO PROLETARIADO que se assemelha em alguns aspectos à ideia evangélica das vantagens peculiares dos pobres sobre os ricos, na constituição da comunidade futura. O PROLETÁRIO é, de acordo com Marx, uma pessoa que está fora da sociedade burguesa, centrada na propriedade, pois não possui qualquer propriedade. O PROLETARIADO é 'UMA CLASSE QUE NÃO É UMA CLASSE' propriamente dita, PORQUE NÃO SE INTEGRA NA HIERARQUIA DOS PRIVILÉGIOS; o proletariado não tem privilégios dentro da sociedade burguesa. No proletariado, a sociedade burguesa alcançou a sua própria negação. 'Se o proletariado anuncia a dissolução da ordem atual do mundo, apenas publica o mistério de sua própria existência que é a dissolução real desta ordem do mundo'. A PERSPECTIVA ESCATOLÓGICA É MUITO SEMELHANTE À DO EVANGELHO. Há 'a ordem atual do mundo', o éon de iniquidade e miséria; esta ordem será necessariamente substituída por uma nova; o sintoma da dissolução da velha ordem e do advento da ordem nova é o crescimento de um povo que não seja 'deste mundo', mas que já pertence ao novo. A pertença ao mundo novo é o 'mistério' dos proletários, SÃO A VANGUARDA DO NOVO e adquirem esta distinção através 'do caráter universal do seu sofrimento'. Os proletários não são subprivilegiados; a sua miséria não pode ser remediada conferindo 'privilégios'; a sua situação os coloca fora de toda reforma possível da ordem atual. A DESTRUIÇÃO COMPLETA DA ORDEM ATUAL É PRÉ-CONDIÇÃO 'DA RECUPERAÇÃO COMPLETA DO ESTATUTO HUMANO'. Essa 'recuperação do estatuto humano' tem que ser provocada pela 'EMANCIPAÇÃO' da ordem atual; A 'EMANCIPAÇÃO' DE MARX É A CATEGORIA QUE CORRESPONDE À 'METANOIA' ['conversão'] NO EVANGELHO.

"A ESTRUTURA GERAL do mito escatológico de Marx é, assim, A MESMA que a do Evangelho. DIFEREM, contudo, no CONTEÚDO. A ESCATOLOGIA MARXISTA trata, certamente, de UMA ORDEM SOCIAL; a ORDEM SOCIAL TEM QUE SER MUDADA e as características sociais do proletário são a base para a expectativa escatológica. O EVANGELHO trata de UM EVENTO NA ORDEM DIVINA DO MUNDO; a qualificação das pessoas para pertencer ao reino é incidental à questão essencial da transformação da alma. O REINO DO EVANGELHO ESTARÁ LIVRE DA AFLIÇÃO TERRENA (TRABALHO, SEXO, MORTE) E ESTÁ 'IMINENTE' - espera-se que venha nesta geração e pode chegar a qualquer dia. AS QUESTÕES SOBRE A PROPRIEDADE, PORTANTO, NÃO TÊM QUALQUER IMPORTÂNCIA NO ENSINO DE JESUS. Na comunidade cristã primitiva, não há qualquer objeção ao rico como tal, embora se espere dele, como sintoma da sua 'metanoia' ['conversão'] sincera, que compartilhe a riqueza com os seus irmãos porque, de qualquer maneira, não tem utilidade terrena para ele. Portanto, É ESTRITAMENTE IMPOSSÍVEL DERIVAR QUALQUER IDEIA 'COMUNISTA' DO EVANGELHO, SE ENTENDERMOS O COMUNISMO COMO A REPARTIÇÃO DA PROPRIEDADE NUMA ORDEM SOCIAL DURADOURA; O 'COMUNISMO' CRISTÃO PRIMITIVO É UM FENÔMENO ESCATOLÓGICO, NÃO É UM PROGRAMA DE REFORMA SOCIAL. Típica desta atitude para com a propriedade é a história relatada no segundo volume de Lucas (Atos 5, 1-11). Um casal, Ananias e Safira, vende as suas posses, traz o dinheiro aos apóstolos, para uso da comunidade, mas retém parte dele. O apóstolo repreende-os: as posses eram deles e ninguém as quis; quando as venderam, o dinheiro era deles e, ainda assim, ninguém o quis; mas quando trouxeram o dinheiro aos apóstolos, fingindo que eram todas as suas posses terrenas, então pecaram sem perdão: 'não foi a homens que mentiste, mas a Deus'. Ambos caíram mortos". 


(*) Textos extraídos de VOEGELIN, Eric. "História das Ideias Políticas". Vol. I. "Helenismo, Roma e o Cristianismo Primitivo". É Realizações: São Paulo, 2012. Texto I, pp. 208-209; Texto II, pp. 209-211. 

Tuesday, August 09, 2016

Teologia da Libertação: a transformação comunista da Arquidiocese de Mariana-MG.

Bruno Braga.
Material para estudo. 


OLIVEIRA, Fabrício Roberto Costa. ROTHMAN, Franklin Daniel. "Arquidiocese de Mariana, Teologia da Libertação e Emergência do Movimento dos Atingidos por Barragens do Alto Rio Doce (MG)". Política & Sociedade: Revista de Sociologia Política. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). V. 7, n. 12, 2008. pp. 177-203.


Esta é mais uma amostra de como a Teologia da Libertação se infiltrou dentro da Arquidiocese de Mariana-MG [1] - aqui, por meio do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB). Para isso, a chegada de Dom Luciano Mendes de Almeida foi fundamental. Ele fora retirado de São Paulo - uma iniciativa de São João Paulo II para frear a militância dos "apóstolos" da Teologia da Libertação e a instrumentalização política da Igreja. Porém, a iniciativa, desgraçadamente, foi um dos principais fatores de disseminação da teologia comunista em Minas Gerais, "pois Dom Luciano era um dos grandes nomes do grupo progressista" (Cf. artigo, p. 189).

O leitor reconhecerá facilmente o tom comuno-esquerdista do texto. Estereótipos, certas distorções históricas e, consequentemente, uma "apologia" da Teologia da Libertação. No entanto, esses elementos têm uma utilidade: funcionam como defesa contra qualquer acusação de "teoria da conspiração", uma vez que o artigo é redigido por entusiastas da Teologia da Libertação e mostra como ela assaltou e parasitou a Igreja Católica - a Arquidiocese de Mariana - para "transformá-la" em  base e plataforma de ações políticas. 

Cabe recordar um fato recente. Em 2015, o rompimento de uma barragem em Mariana tornou-se uma oportunidade para colocar em evidência o MAB - o tal Movimento dos Atingidos por Barragens. Ele, que havia surgido com a participação de militantes do PT (idem, p. 192), aparece agora capitaneado por João [2]. O "apóstolo" da Teologia da Libertação e "padre do PT" que é o atual presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, transformada por ele em "trincheira" de "luta" e de "resistência" para os interesses comuno-petistas [3] - e que foi cavada também em Mariana [4].

Eis um trecho importante do artigo supra citado: 

1964 a 1989: a Teologia da Libertação, o Mobon e os processos de transformação social na Arquidiocese de Mariana.

No Brasil Colônia, a Arquidiocese de Mariana exerceu enorme influência na sociedade mineira e se consolidou como grande formadora de clérigos, sendo uma instituição de grande importância na consolidação dos interesses portugueses, tendo sido, por isso, de grande relevância na manutenção do status quo. No século XIX, o processo de romanização tinha a Arquidiocese de Mariana como importante ator, já que Dom Viçoso, bispo de Mariana, era um dos principais expoentes do catolicismo brasileiro que buscava por um catolicismo “oficial”, o qual procurava romper com as práticas religiosas populares (OLIVEIRA, 1985). Durante a primeira metade do século XX, a atuação conservadora, tanto da Igreja Católica brasileira quanto da Arquidiocese de Mariana, continuou a se fazer consistente, inclusive às vésperas do golpe de 1964.

Não obstante a postura conservadora da Igreja Católica, no início da década de 1960, acontecia o Concílio Vaticano II (1962-1965), que se consolidou como um evento de grande importância para a emergência de idéias associadas à Igreja progressista e à Teologia da Libertação, que podem ser entendidas como uma escola romana de pensamento que emergiu na América Latina no final da década de 1960 (SMITH, 1991). Seus postulados defendem que o papel da Igreja é o de participar da promoção social e de lutar pela justiça econômica (idem).

Segundo Boff e Boff (2001, p. 74), “podemos entender a Teologia da Libertação como aquela reflexão de fé da Igreja que tomou a sério a opção preferencial e solidária com os pobres”. Para Scherer-Warren (1996, p. 32-33), a Teologia da Libertação:
[...] nasce e se desenvolve enquanto expressão de problemas da realidade social latino-americana, no desejo de transcendê-la através da criação de uma sociedade mais justa e igualitária. Trata-se do encaminhamento de uma nova visão para o papel da Igreja, da prática cristã e do pensar teológico, até então apoiado numa teologia feita a partir da realidade exógena européia.
Diferenças de definições e enfoque à parte, pode-se afirmar que grupos religiosos progressistas engajados em transformações sociais utilizaram idéias da Teologia da Libertação na legitimação de diversas mobilizações sociais em oposição a diversas ditaduras por toda a América Latina. As Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) – definidas como grupos católicos que se reúnem regularmente para discutir a bíblia, relacionando os escritos desta com os problemas sociais que vivem – foram muito importantes na difusão das idéias da Teologia da Libertação.

A presença das CEBs se fez então como importante parte da estrutura de mobilização. Esses pequenos grupos, por meio da organização dos leigos, das reflexões acerca do cotidiano e dos problemas diários tendo como referência a bíblia, além do apoio de padres e bispos para a mobilização popular, acabaram gerando e/ou apoiando vários movimentos sociais por todo o país, tanto no meio urbano quanto no rural. A Teologia da Libertação e as CEBs tiveram grande influência na emergência de movimentos sociais nas décadas de 1970 e 1980 (cf. PETRINI, 1984; GAIGER, 1987; ROTHMAN, 1993; IOKOI, 1996; LESBAUPIN, 2000; LESBAUPIN et alii, 2004).

Na Arquidiocese de Mariana não havia CEBs em toda a sua extensão territorial, “mesmo porque a Arquidiocese como um todo não havia feito sua opção pelas CEBs”. Apesar disso, em fins da década de 1960, um grupo de católicos de dentro da Arquidiocese e de fora dela mobilizou pessoas para a promoção de idéias religiosas progressistas.

O padre Daniel, importante incentivador de CEBs na Arquidiocese, narra seu trabalho de mobilização e a importância de seu contato com a diocese vizinha da seguinte forma:
Aí a Diocese de Mariana divide com a Diocese de Caratinga e a gente vendo a beleza da diocese de Caratinga, por que eu visitava Divino, e faz divisa com Pedra Bonita, Santa Margarida, dividindo com Pedra Bonita, a gente olhando vendo as coisas, sobretudo Divino, que Santa Margarida na ocasião era um Padre Holandês, ele não olhava muito para esse lado de CEBs não. Mas Divino era maravilha lá. E visitando lá a convite do padre e também celebrando cá, a gente vendo a atitude dos leigos, aí resolvi, conforme se diz né, “deixa a abóbora passar debaixo da cerca”, não é. Assim nós começamos também, Pedra Bonita, Sericita, São Domingos, Ribeirão São Domingos e as coisas foram crescendo sabe?
Por meio da narrativa do padre Daniel, pode-se perceber que, apesar do caráter institucional da Igreja Católica, foram as redes de ligações informais e as relações estabelecidas pelo padre e leigos com outros grupos da vizinha Diocese de Caratinga que foram fundamentais para um contato mais efetivo para emergência das CEBs na Arquidiocese de Mariana.

As relações solidárias entre os padres e o engajamento dos leigos formaram uma importante estrutura de mobilização capaz de proporcionar condições de emergência de práticas mais progressistas na Arquidiocese de Mariana. Boa parte dessa estrutura de mobilização tem a ver com o trabalho dos leigos, que, muitas vezes, insatisfeitos com as mensagens religiosas da Arquidiocese de Mariana, procuraram em livros, panfletos e, principalmente, na vizinha Diocese de Caratinga mensagens que satisfaziam melhor aos seus anseios políticos e religiosos.

Nesse sentido, o contato com uma diocese que tinha um bispo engajado na criação de CEBs, produzia materiais para esses grupos e contava com padres e uma população engajada mostrava-se fundamental para leigos e padres da Arquidiocese de Mariana que se interessavam por essas idéias e, internamente, não contavam com o aval da instituição.

O contato com a Diocese de Caratinga foi importante. Na Arquidiocese, à medida que iam se criando CEBs, os grupos católicos progressistas iam discutindo os problemas da sociedade e a idéia da necessidade de maior envolvimento da religião nas questões sociais aumentava, o que era um facilitador para a construção de uma identidade coletiva progressista, que se tornava mais consistente à medida que se fortalecia a estrutura de mobilização pela solidariedade, amizade e ligação entre os atores sociais.

O padre Daniel ficou na região onde trabalhava havia muito tempo, porque, segundo ele, “o bispo tinha mais ou menos essa idéia, ‘se tá bem, fica’, a não ser que queira sair”. Fazendo esse trabalho, o padre afirma:
Eu consegui da Alemanha, através do bispo Dom Oscar, consegui ganhar uma Kombi zero quilômetro para a evangelização por causa das CEBs, levando curso, buscando cursos. Dom Cavati, muitas vezes, nós fomos lá e, no intercâmbio, no meio da paróquia também, rodando, levando líderes, participamos de muitos cursos na Diocese também utilizando desse veículo, então foi uma beleza, né?
Fato interessante da pesquisa foi ter percebido que, apesar de o arcebispado não ter se empenhado na promoção de CEBs, ele não impedia os padres de a promoverem, desde que isso não trouxesse conseqüências “negativas” para a Arquidiocese, como, por exemplo, a “politização excessiva”, que era vista como um grande mal ao catolicismo.

Entretanto, mesmo com essa postura de evitar o envolvimento político de grupos religiosos na Arquidiocese de Mariana, criava-se um cenário propício à mobilização progressista: a oposição de católicos progressistas à ditadura militar no Brasil, as idéias do Concílio Vaticano II, o contato com a Diocese de Caratinga e a existência de um grupo de padres e leigos que objetivavam a veiculação de idéias religiosas progressistas na região. Nessa perspectiva, pode-se dizer que acabou se formando uma estrutura de oportunidade política favorável aos grupos progressistas da Arquidiocese de Mariana.

A mobilização progressista ainda era incipiente; as CEBs que se criavam tinham ação limitada. O padre Douglas refere-se a elas como sendo “não tão politizadas”, mas era a emergência de novas idéias e novas formas de práticas religiosas, as quais, muitas vezes, não eram bem-vistas pela elite eclesiástica local. Segundo o padre Claret:
havia até uma coisa interessante na época porque a Diocese de Caratinga e a de Itabira eram bem malvistas pela Arquidiocese e a gente acabava incorporando aquilo de que a nossa Diocese era melhor. Como se a nossa Diocese é que era a mãe certa, porque elas desmembraram de cá. Como se fosse assim a saída das filhas rebeldes, mas aí nós fomos entendendo que lá as pessoas participavam muito mais e elas vieram entrando por ali, na região de Sericita.
Esse é um depoimento ilustrativo de como alguns padres e grupos de religiosos da Arquidiocese pensavam a respeito das dioceses engajadas com a criação de CEBs e como, a partir do contato com as dioceses vizinhas e da reflexão, muitos religiosos começavam a perceber os benefícios que a criação de CEBs poderia trazer para a Arquidiocese, ou seja, havia um processo de transformação da visão que se tinha da religião e da vida social, dentro de um "framing process".

No intuito de continuidade dessa transformação, integrantes do Movimento da Boa Nova (Mobon) eram convidados para ministrar cursos na Arquidiocese de Mariana. Segundo um dos fundadores e presidente do Mobon (em 2004), o objetivo do trabalho que realizavam era levar os leigos à reflexão e dar-lhes liberdade para falar de sua realidade, proposta que apresentava bastante afinidade com a Teologia da Libertação.

Conforme alguns depoimentos, o Mobon exerceu grande influência no território da Arquidiocese de Mariana na década de 1970, mas é difícil precisar as visitas e o trabalho dos integrantes do Movimento antes de 1979. Depois dessa data, o Mobon inaugurou uma casa de cursos na cidade de Dom Cavati (MG), para onde mais de 700 pessoas, de mais de 15 localidades da Arquidiocese de Mariana, viajavam e faziam diversos cursos. Dessa forma, consolidava-se ainda mais a estrutura de mobilização, que já se mostrava consistente com a presença de membros do Mobon na Arquidiocese, a qual, a partir de então, passava a contar com uma importante infra-estrutura: a casa de curso.

O movimento religioso promotor de idéias progressistas na Arquidiocese de Mariana continuava firme na década de 1980; contudo, mesmo nessa década, em que o medo do comunismo não era tão grande como na década de 1960, segundo o padre Douglas, o seminário da Arquidiocese ainda se mostrava contrário às idéias da Teologia da Libertação. Assim ele diz:
[...] Depois vim pra cá e entrei para o seminário em 1981, comecei estudar teologia, mas ainda nesse ambiente que era fechado, eu fiquei pouco tempo, eu fiquei um ano e meio. No meu período chegou-se mesmo a se cogitar da parte de Dom Oscar até a proibição, mas ele não fez isso não, mas foi cogitado até a proibição de livros de Leonardo Boff. Quer dizer, era outro tipo de perspectiva. Não foi feito, na própria formação, houve quem ponderasse com ele, não era o ideal, que as pessoas deveriam conhecer até para serem críticos, mas enfim, o lado social não se falava tanto, a não ser em alguma leitura e conversas mais nossas.
De acordo com o relato, a Teologia da Libertação só era permitida na Arquidiocese de Mariana com restrições. Nos jornais da Arquidiocese eram muitas as notícias que reafirmavam os cuidados que se deveria ter com essa Teologia para não confundi-la com questões políticas e sociais. Assim, mesmo depois de passados os momentos difíceis da ditadura militar, a Arquidiocese continuava tentando impedir que idéias progressistas nela se tornassem hegemônicas.

Como afirmou o padre Douglas, as críticas às condições sociais e políticas aconteciam sem empenho dos grupos dirigentes da Arquidiocese, que seguiam à risca a tentativa da hierarquia católica romana de tentar frear a atuação progressista da Igreja Católica. A carta apostólica endereçada aos bispos brasileiros dizia que a Igreja não deveria se envolver em questões sociais em detrimento de sua missão especificamente religiosa (HIGUET, 1984). 

De acordo com Prandi e Souza (1996, p. 62-63), o Papa “se mostrava bastante alinhado às tendências carismáticas e bem distantes da opção pelos pobres da Teologia da Libertação”. Essa política do Vaticano acabou, paradoxalmente, beneficiando os grupos progressistas da Arquidiocese de Mariana, pois uma das estratégias utilizadas para desmantelar a progressista Arquidiocese de São Paulo foi:
[...] a transferência de Dom Luciano Mendes de Almeida, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e ex-auxiliar da arquidiocese paulista para arquidiocese mineira de Mariana, uma das mais antigas na história religiosa do país, mas com pouca expressão sócio-política. Esta transferência foi feita à revelia do cardeal D. Paulo Evaristo Arns, pertencente à ala esquerda do clero brasileiro, que desejava que D. Luciano sucedesse no arcebispado de São Paulo. Além disso, como se sabe, com o objetivo de esvaziar o poder de D. Paulo Evaristo Arns, que dirige a maior arquidiocese, estudos estão sendo feitos em Roma para dividir a arquidiocese paulistana em quatro regiões episcopais – Osasco, Itapecirica da Serra, Santo Amaro e São Miguel Paulista, que são as principais áreas de ação pastoral do cardeal e de maior força popular (VALENTE, 1989, p. 88; sem grifos no original).
A tentativa de esvaziamento de poder de Dom Evaristo Arns acabou trazendo benefícios para os progressistas da Arquidiocese de Mariana, pois Dom Luciano era um dos grandes nomes do grupo progressista das décadas de 1970 e 1980 e sua chegada à Arquidiocese de Mariana tinha um grande significado para a população local, principalmente para os mais progressistas, que já vinham se articulando na mobilização social para a promoção das idéias da Teologia da Libertação e estavam ávidos de uma direção arquidiocesana progressista, que lhes desse melhores condições de atuação.

Para o padre Daniel, a mudança de uma postura mais conservadora para uma mais progressista já vinha acontecendo, mas ela se deu, sobretudo, com a chegada de Dom Luciano à Arquidiocese, o que é relatado por grande parte dos entrevistados. Para o padre Douglas, a chegada de Dom Luciano significou uma abertura para a atuação progressista:
O que a gente percebe é que há uma mudança na Arquidiocese de Mariana, sobretudo a partir da chegada de Dom Luciano, às vezes algumas questões que estavam mais abafadas, mais surdas, elas vão eclodir, e a forma como ele organizou a Diocese, essa tradição de assembléias pastorais, de encontro de presbíteros, não só os retiros, mas os encontros anuais, os presbíteros, discutir a Bíblia, os ministérios, questões pastorais, abriu mais o debate. A própria linha do jornal Pastoral, que sucedeu ao jornal Arquidiocesano mostra claramente uma perspectiva diferente, um foco diferente. Na realidade, o fato é outro, é uma Diocese mais aberta, digamos, assim, aquilo que é a caminhada da Igreja no Brasil, sobretudo da CNBB (padre Douglas).
O mesmo padre afirma que Dom Luciano significava um marco, um símbolo de mudança importante para a Arquidiocese de Mariana: “Então você vê, Dom Luciano estava atuante na Igreja no Brasil. Ele não estava em Mariana, mas a vinda dele pra Mariana era uma bandeira. A pessoa dele é uma bandeira, quando ele vem já significa isso. Quer dizer, todo mundo que tinha um pouco de informação percebia que a Arquidiocese estava dando uma guinada” (padre Douglas).

No entanto, a chegada de Dom Luciano não pode ser vista como a grande responsável pela consolidação das idéias progressistas, porque um grande grupo de pessoas já compartilhava de uma consciência insurgente, ou seja, acreditava que uma nova forma de religião era possível e viável. Contudo, os depoimentos dos padres vão de encontro às afirmações de Novaes (2002), que ressalta a importância da atuação dos bispos para a inserção e divulgação de novas idéias religiosas. Segundo Novaes (2002), a importância dos bispos se deu tanto durante a ditadura militar – em que era importante o bispo legitimar a atuação dos padres para que estes pudessem difundir as idéias da Teologia da Libertação – como na década de 1990, em que havia um “movimento restaurador”, cujo objetivo era diminuir o poder de influência da Teologia da Libertação.

[...]

O MAB-ARD teve suas “raízes” em meados da década de 1990, no contexto do surgimento de diversos projetos de empresas privadas interessadas na construção de usinas hidrelétricas.

Nessa fase inicial, a presença de Ricardo Ferreira Ribeiro, “agente” da Comissão Pastoral da Terra (CPT) de Minas Gerais, foi de grande importância, uma vez que ele acompanhou os projetos de barragens na Zona da Mata entre 1995 e 1996, quando se afastou para cursar o doutorado.

Concomitante à presença de Ribeiro, o professor Franklin Daniel Rothman, junto com quatro outros professores da Universidade Federal de Viçosa que tinham experiência no campo político como militantes do Partido dos Trabalhadores, elaborou um projeto de extensão no intuito de apoiar as comunidades locais atingidas pelas barragens (ZHOURI & ROTHMAN, 2008, p. 136). Alguns alunos da pós-graduação e da graduação da UFV se integraram ao grupo, que acabou somando a presença de um diácono ligado à Dimensão Social da Região Pastoral Mariana Leste, da Arquidiocese de Mariana – Antônio Claret.

[...]


REFERÊNCIAS.

[1]. Cf. "A transformação da Arquidiocese de Mariana-MG: o efeito corruptor da Teologia da Libertação". Material para estudo [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/03/a-transformacao-da-arquidiocese-de.html].


[3]. Cf. CDHM: "Padre" do PT comanda "trincheira" comuno-petista [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/cdhm-padre-do-pt-comanda-trincheira.html].

[4]. Cf. "Mariana: 'movimentos populares' e 'trincheira' comuno-petista" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/mariana-movimentos-populares-e.html].


ARTIGO RECOMENDADOS.

PACEPA, Ion Mihai. "A KGB criou a Teologia da Libertação" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/01/a-kgb-criou-teologia-da-libertacao.html]. Tradução do Capítulo "Liberation Theology" (15), que é parte do livro "Disinformation": former spy chief reveals secret strategis for undermining freedom, attacking religion, and promoting terrorism (WND Books: Washington, 2013); 
______. "As raízes secretas da teologia da libertação". Trad. Ricardo R. Hashimoto. Mídia Sem Máscara, 11 de Maio de 2015 [http://www.midiasemmascara.org/artigos/desinformacao/15820-2015-05-11-05-32-01.html]; 
______. "A Cruzada religiosa do Kremlin". Trad. Bruno Braga [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/04/a-cruzada-religiosa-do-kremlin.html]; 

. "Ex-espião da União Soviética: Nós criamos a Teologia da Libertação", ACIDigital, 11 de Maio de 2015 [http://www.acidigital.com/noticias/ex-espiao-da-uniao-sovietica-nos-criamos-a-teologia-da-libertacao-28919/]; 

Departamento de Estado dos Estados Unidos. Washington. D.C. "Ações ativas soviéticas: The Christian Peace Conference".  Trad. Bruno Braga. [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/07/christian-peace-conference-disseminacao.html]; 

NORRIS, Brian. "Crítica do "Christian Peace Conference". Trad. Bruno Braga [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/07/critica-do-christian-peace-conference.html].

BRAGA, Bruno. "Não, a guerra não acabou" [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/07/nao-guerra-nao-acabou.html].
______. "Os 'apóstolos' do Foro de São Paulo" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/os-apostolos-do-foro-de-sao-paulo.html].

Friday, August 05, 2016

Maçonaria: Satanismo, Terrorismo e Política.

Bruno Braga.
Notas publicadas no Facebook.


I.

Para os que precisam de uma manifestação explícita para enxergar a relação da Maçonaria com o Satanismo, eis uma amostra. Uma "comunidade" do Facebook que utiliza o nome "Maçonaria" [1] - e que o seu administrador a associou ao site do "Grande Oriente do Brasil" [www.gob.org.br] [2] - publicou um "elogio" a "Baphomet" (Cf. imagem) [3].


No texto, a "Maçonaria" tenta de todas as formas conferir nobreza a Baphomet - relacionando ardilosamente a figura aos Templários - respeitabilidade a seus símbolos, como o Pentagrama -, e se esforça para afastar o bode satânico da "Diabo Cristão". Porém, recorre, como uma de suas fontes de "elucidação", a Aleister Crowley [1875-1947] - um Satanista! (Cf. imagem).

"A verdadeira campanha é aquela que põe frente a frente a Igreja Católica e o Templo maçônico, isto é, a Igreja de Deus e a Igreja de Satã, conflito formidável do qual depende a sorte da humanidade" [4].
II.

Eis a Maçonaria em mais um ato de "adoração" satânica [5]. A imagem refere-se a "Baphomet ¿ Luz u Oscuridad ?", publicação do "Diario Masónico" [6] - "un lugar dedicado a la Masonería Universal" [7].

O texto contém os já observados contorcionismos conceituais, apropriações e falsificações históricas - como no caso dos Templários - e, incluindo a de Albert Pike, a "invocação" do satanista Aleister Crowley como autoridade "intelectual" [8]. 

Nele, porém, há uma tentativa de dissociar Baphomet do Satanismo: uma simples menção à disposição do pentagrama. Tentativa ardilosa e inútil, porque a relação é evidente na própria figura do bode satânico, e aparece declarada - embora muitas pessoas não percebam aqui o artifício diabólico - na importância de Baphomet para uma "Luz y una ruta iniciática que exalta al HOMBRE A SU CONDICIÓN DE DIOS, al HOMO EST DEUS" [9]. Ora, não foi o que a serpente disse à mulher? "Sereis como Deus"? (Gen. 3, 5).

Muito bem. A publicação maçônica enaltece Baphomet como "deus da Luz" e da "iniciação", e deixa exposta mais uma vez a relação entre a Maçonaria e o Satanismo. 

III.

Comentário.

É grotesco a Presidente afastada Dilma Rousseff se manifestar contra o terrorismo. Porém, tão grotesco quanto ver o suposto "repúdio" de uma terrorista comunista - que trabalha para uma organização que agrega e coordena guerrilheiros narco-terroristas: o Foro de São Paulo - é ver a Maçonaria colocar-se contra o terrorismo, levantando a bandeira da França por causa do atentado do dia 14 de julho, na comemoração da "Tomada da Bastilha" (Cf. imagem) [10].

Sim, é grotesco, porque a seita maçônica participou ativamente do terrorismo da Revolução Francesa. O que resultou na instauração do sanguinário "Reino do Terror", promovendo inclusive a perseguição e o assinato de padres. Se Jacques Hamel foi degolado por muçulmanos aos gritos de "Allahu Akbar", os revolucionários perseguiram e executaram sacerdotes sob o fantasioso lema maçônico da "Liberdade, Igualdade e [Fraternidade]" [11].
"Não se injuria a franco-maçonaria quando se afirma que o segredo que ela ocultara sob essas palavras, 'liberdade' e 'igualdade', era a Revolução com todos os seus horrores" [12].
Divisa que, a propósito, estabelece uma espécie de "tradição" comum entre Maçonaria e Comunismo.

IV.

No dia 23 de julho, o Estadão publicou um artigo com o título "Reinserção da Maçonaria na política brasileira", e com a assinatura de Benedito Marques Ballouck Filho, grão-mestre do Grande Oriente de São Paulo (Cf. imagem) [13].

O texto - por si só - desmente a "historinha" que muita gente já sabe ser pura mentira: a de que a Maçonaria não se mete em política. Portanto, "reinserção" é conversa mole. A Maçonaria sempre se envolveu com a política, e da pior forma: conspirando, protegida pelo "segredo" de suas atividades essenciais ou camuflada por "nobres" e "generosos" pretextos.

Aliás, se a Maçonaria de fato tem o poder que os "veneráveis" julgam e dizem ter, o esquema de corrupção comuno-petista que tomou de assalto o país nunca teria tomado a dimensão que tomou sem no mínimo a conivência deles - quiçá sem a sua colaboração. Apesar disso, a seita se apresenta "inocente" e "imaculada" - de acordo com o texto em tela - à procura de políticos comprometidos com a "ética" e com a "cidadania". Ora, ora...

O Grupo Estadual de Ação Política (GEAP-SP) dá ao leitor uma noção das ambições da Maçonaria. O GEAP foi criado com o propósito de "coordenar" grupos locais e "incentivar" as lojas maçônicas a participarem do processo político, principalmente das eleições municipais deste ano. A seita oferece apoio ao candidato - seja ele maçom ou não, conforme o artigo - desde que ele assuma as suas premissas e assine um termo de compromisso. Termo que contém uma - digamos assim - "curiosa" exigência: os candidatos se predispõem a "realizar visitas periódicas depois de eleitos para a prestação de contas de suas ações enquanto representantes da população [14].   

Em outras palavras, a Maçonaria torna-se entidade fiscalizadora de prefeitos e vereadores com ela comprometidos. Uma seita secreta passa a coordenar a política, uma atividade eminentemente pública - e que lida não apenas com o dinheiro do contribuinte, mas interfere nas condições culturais e educacionais da população.  

V.

No dia 17 de junho, a Câmara dos Deputados realizou uma sessão solene em homenagem aos 194 anos de fundação do Grande Oriente do Brasil (GOB) (Cf. imagem) [15]. O requerimento foi proposto pelo deputado Nelson Marquezelli, maçom do PTB de São Paulo  [16].


É o dinheiro do contribuinte sendo utilizado para prestigiar a uma seita secreta, e é mais uma amostra do poder de influência da Maçonaria na política - uma atividade eminentemente pública.  

VI. 

"Bancada maçônica". 

A atuação de membros de uma seita SECRETA na POLÍTICA - uma atividade PÚBLICA - movidos por "mistérios", programas e interesses, que, não só o cidadão comum, mas os seus próprios eleitores desconhecem.

Não se trata de "teoria da conspiração". Veja a imagem [17]. É a "confissão" de um maçom. Ele mesmo fala em "bancada maçônica", e relaciona entre os seus integrantes os seguintes parlamentares:

. Álvaro Dias (PV-PR);
. Alex Canziane (PTB-PR);
. Arthur Lira (PP-AL);
. Baleia Rossi (PMDB-SP);
. Bruno Covas (PSDB-SP);
. Cleber Verde (PRB-MA);
. Domingos Sávio (PSDB-MG);
. Efraim Filho (DEM-PB);
. Espreidião Amin (PP-SC);
. Giovani Cherini (PDT-RS); 
. Givaldo Carimbão (PHS-AL); 
. Luiz Gonzaga Patriota (PSB-PE);
. Hiran Gonçalves (PP-RR); 
. Izalci (PSDB-DF); 
. Jorginho Mello (PR-SC); 
. Laudívio Carvalho (SD-MG);
. Lázaro Botelho (PP-TO);
. Lelo Coimbra (PMDB-ES); 
. Major Olímpio (SD-SP);
. Nelson Marquezelli (PTB-SP);
. Odelmo Leão (PP-MG); 
. Roberto Palestra (PP-GO);
. Roberto Britto (PP-BA);
. Wherles Rocha (PSDB-AC); 
. Sérgio Souza (PMDB-PR);
. Elmano Férrer (PTB-PI); 
. Sarney Filho (PV-MA);
. Valdir Raupp (PMDB-RO);
. Edson Moreira (PR-MG).


REFERÊNCIAS.



[4]. Cf. DELASSUS, Henri. "A Conjuração Anticristã": o templo maçônico que quer se erguer sobre as ruínas da Igreja Católica. Bibliothèque Saint Libère, 2009 [Arquivo digital]. I, p. 44.

[5]. Cf. nota I.



[8]. Cf. referência [6].

[9]. Idem.

[10]. Cf. Grande Oriente do Distrito Federal. "GODF manifesta-se contra o terrorismo" [http://www.godf.org.br/noticia.asp?indice=1383].

[11]. Idem. 

[12]. Cf. DELASSUS, Henri. "A Conjuração Anticristã": o templo maçônico que quer se erguer sobre as ruínas da Igreja Católica. Bibliothèque Saint Libère, 2009 [Arquivo digital]. p. 73.


[14]. Idem.





ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. "A aliança entre a Maçonaria e o Comunismo". Material para estudo [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/05/a-alianca-entre-maconaria-e-o-comunismo.html].

______. "Comunismo e Maçonaria: o 'apostolado' de Valentini" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/05/comunismo-e-maconaria-o-apostolado-de.html].