Sunday, June 26, 2016

Os "apóstolos" do Foro de São Paulo.

Bruno Braga.


O "Documento base" que o Foro de São Paulo apresentou para orientar o seu XXII Encontro - realizado em El Salvador entre os dias 23 e 26 de junho [1] - contém um "plano de ação". Nele, o ítem 12.3 estabelece o seguinte: 

[...] "Es NECESARIO y URGENTE integrar al Plan de Acción del FSP las acciones correspondientes a la Comisión de Cultura, pudiendo garantizar entre otras acciones: [...] "VINCULAR LAS ACCIONES EN CULTURA a espacios como la RED DE INTELECTUALES Y LUCHADORES SOCIALES EN DEFENSA DE LA HUMANIDAD" (Cf. imagem. Doc. p. 49) [2].

Um nome cativante e inspirador: "Red de Intelectuales y Luchadores Sociais en Defensa de la Humanidad". Certamente ele convence e conquista quem não conhece a malícia comunista. A manipulação estratégica da linguagem. O trabalho de "intelectuais" e "lutadores sociais" que - de maneira dissimulada para ludibriar o público - subordinam a "cultura" aos interesses e propósitos de um esquema totalitário de poder. 

É importante, pois, verificar quais são os "intelectuais" e "lutadores sociais" que se autoproclamam "defensores da humanidade". O site da organização lista alguns deles. [3].  Não é preciso muito para reconhecer a tropa comunista: Evo Morales, Ernesto Cardenal, Adolfo Pérez Esquivel [4], Noam Chomsky, Tarik Ali, Ignacio Ramonet, entre outros. Teothonio Dos Santos, Marilia Guimarães - porém, os "intelectuais" brasileiros com os quais as pessoas têm mais familiaridade são Leonardo Boff e "frei" Betto (Cf. imagem).


Os "apóstolos" da Teologia da Libertação são figurinhas carimbadas na militância política e na estratégia de - com suas "pregações" - distorcer a fé, enganar os católicos, assaltar a Igreja Católica e utilizá-la para beneficiar o esquema de poder comunista. Betto - o tal "frei" - foi inclusive articulador da criação do Foro de São Paulo e um de seus destacados dirigentes, além de assessor especial do ex-Presidente Lula [5]. 

Eis os "intelectuais" que se apresentam - de forma tão "modesta"... - como "defensores da humanidade". Puro disfarce e cinismo. Eles são propriamente membros do movimento comunista internacional. Betto e Boff estão ligados a iniciativas apresentadas com o selo "cultura", mas que pertencem ao "plano de ação" do Foro de São Paulo para transformar a América Latina na "Patria Grande" comunista - e que nos últimos meses estão sendo utilizadas com um propósito determinado: defender o mandato da Presidente Dilma Rousseff contra o impeachment [6].


REFERÊNCIAS.

[1]. Cf. "Foro de São Paulo: comunistas se reúnem em El Salvador" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/foro-de-sao-paulo-comunistas-se-reunem.html].

[2]. Cf. Cf. XXII Encontro do Foro de São Paulo - Documento base [http://forodesaopaulo.org/documento-base-base-document/].

[3]. Cf. "Red de Intelectuales, Artistas y Movimientos Sociales “En defensa de la Humanidad” (REDH) [http://redendefensadelahumanidad.blogspot.com.br/].

[4]. "'Nobel da Paz' ou agente do Foro de São Paulo?" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/04/nobel-da-paz-ou-agente-do-foro-de-sao.html].

[5]. Cf. "Artigos recomendados".

[6]. Cf. referência [1] e os artigos: "CDHM: 'Padre' do PT comanda 'trincheira' comuno-petista" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/cdhm-padre-do-pt-comanda-trincheira.html]; "Estratégia comuno-petista" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/estrategia-comuno-petista.html].

ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. "Para além das aparências" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/03/para-alem-das-aparencias.html].
______. "Genézio 'arrebanha' militância comuno-petista em Minas" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/08/genezio-arrebanha-militancia-comuno.html].

Saturday, June 25, 2016

Conciliábulo comunista no Campus Pio XI.

Bruno Braga.


"O comunismo é intrinsecamente mau" ("Divini Redemptoris"). 
"[O socialismo] é incompatível com os dogmas da Igreja Católica, pois concebe a própria sociedade como alheia à verdade cristã" [...] "Católico e socialista são termos antitéticos" [...] "Socialismo religioso, socialismo cristão são termos contraditórios. Ninguém pode ser, ao mesmo tempo, bom católico e verdadeiro socialista" ("Quadragesimo Anno"). 


São palavras de Pio XI. Palavras infelizmente desprezadas no Campus da Universidade Salesiana que carrega o nome do Papa. O Campus Pio XI, em São Paulo [1], tornou-se de vez centro de reuniões da Frente Brasil Popular. Trata-se de uma orda de militantes, políticos, "intelectuais", ONG's, entidades sindicais e movimentos ditos "sociais" e "populares" que levanta "bandeiras" escrachadamente contrárias aos princípios e orientações da Igreja Católica e que está a serviço do totalitarismo comuno-petistas. Entre os membros da tal "Frente" estão velhos conhecidos: MST, CUT, Contag, Fora do Eixo, Mídia Ninja, Levante Popular da Juventude, UNE, Via Campesina, ABGLT (Associação de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais), etc., etc. [2].

O Campus Pio XI já recebeu o ex-Presidente Luiz Inácio [3]. Neste mês de junho, ele acolheu novamente Valter Pomar. O ex-Secretário Executivo do Foro de São Paulo, da organização fundada por Lula e por Fidel Castro para transformar a América Latina na "Patria Grande" comunista [4]. Na imagem ao lado, ele aparece na companhia da deputada federal Luciana Santos - a primeira à esquerda - que é não só filiada, mas presidente do PCdoB - Partido Comunista do Brasil.  


Pomar é figura de destaque no XXII Encontro do Foro de São Paulo, evento que está sendo realizado em El Salvador desde o dia 23 de junho, e que tem como anfitrião a "Frente Farabundo Martí para la Liberácion Nacional" (FMLN) - grupo terrorista guerrilheiro comunista que se transformou em partido político e atualmente dita as ordens no país (Cf. imagem) [5]. 


Um dos eixos do evento comunista é a proposta intensificar a ação dos tais "movimentos sociais" e "populares" para favorecer os interesses e ambições políticas do esquema comunista - no Brasil, transformá-los estrategicamente em "arma" para defender o mandato do fantoche do Foro de São Paulo, a Presidente Dilma Rousseff [6].  

As reuniões "Frente Brasil Popular" no Campus Pio XI são uma amostra - entre tantas outras - da desgraçada invasão comunista dentro da Igreja Católica, sobretudo pelo assalto sorrateiro promovido pelos "apóstolos" da nefasta Teologia da Libertação. Porém, elas são mais que isso. São mais que uma ofensa ao Papa. São um açoite contra Aquele que aparece crucificado nas fotos dos conciliábulos comunistas.   


REFERÊNCIAS.

[1]. Cf. Instituto Pio XI [http://unisal.br/unidades/pioxi/].



[4]. Cf. "A 'prestação de contas' do ex-Secretário do Foro de São Paulo" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/05/a-prestacao-de-contas-do-ex-secretario.html].

[5]. Cf. "Foro de São Paulo: comunistas se reúnem em El Salvador" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/foro-de-sao-paulo-comunistas-se-reunem.html]; "Estratégia comuno-petista" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/estrategia-comuno-petista.html].

[6]. Idem.

ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. "CDHM: 'Padre' do PT comanda 'trincheira' comuno-petista [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/cdhm-padre-do-pt-comanda-trincheira.html].

______. "Mariana: 'movimentos populares' e 'trincheira' comuno-petista [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/mariana-movimentos-populares-e.html].

______. "Genézio 'arrebanha' militância comuno-petista em Minas" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/08/genezio-arrebanha-militancia-comuno.html].

Thursday, June 23, 2016

Foro de São Paulo: comunistas se reúnem em El Salvador.

Bruno Braga.
Notas publicadas no Facebook.


I.

Tem início nesta semana o XXII Encontro do Foro de São Paulo. Os membros da organização fundada por Lula e por Fidel Castro estarão reunidos em El Salvador entre os dias 23 e 26 de junho - sob o lema "El poder popular asegura la victoria" - para mais uma vez confabularem sobre a transformação da América Latina na "Patria Grande" comunista. A "Frente Farabundo Martí para la Liberácion Nacional" (FMLN) será a anfitriã. O grupo de guerrilha, que participou da primeira reunião do Foro de São Paulo, em 1990, mas que tornou-se partido político somente dois anos depois, em 1992 [1] - e que está no poder em El Salvador - espera receber, entre outras figuras ilustres do esquema comunista, o ex-Presidente Luiz Inácio. 

II. 

Dos anfitriões do XXII Encontro do Foro de São Paulo e aliados do PT no projeto de transformar a América Latina na "Patria Grande" comunista.

II. a. 

FMLN: "Masacre de la Zona Rosa".

As imagens são do ataque terrorista promovido em um clube noturno de El Salvador chamado "Zona Rosa". O atentado de 1985 estava sob o comando do grupo de guerrilha marxista-leninista PRTC [Partido Revolucionario de los Trabajadores Centroamericanos] - que integrava a FMLN [Frente Farabundo Martí Para la Liberación Nacional] - e era subordinado, entre outros comandantes, a Nidia Díaz - ela, atual Secretária Geral do XXII Encontro do Foro de São Paulo. O massacre da "Zona Rosa" foi realizado por atiradores disfarçados com o uniforme do exército salvadorenho. Os marines eram o alvo, porém, os terroristas abriram fogo indiscriminadamente e, com quatro americanos, executaram - de forma covarde - também civis, num total de 12 vítimas.

II. b. 

Salvador Sánchez Cerén: o sanguinário terrorista comunista da Frente Farabundo Martí Para la Liberación Nacional (FMLN) que é o atual Presidente de El Salvador.

Assista ao vídeo. Trata-se do testemunho do "Comandante Mario" - sobrevivente das "matanzas" promovidas por Sánchez Cerén.


II. c. 

Medardo González: comandante do terrorismo comunista em El Salvador e atual Secretário Geral da Frente Farabundo Martí para la Liberación Nacional (FMLN) anuncia o Encontro do Foro de São Paulo.


II. d.

Nidia Díaz: terrorista comunista que atualmente é deputada pela Frente Farabundo Martí para la Liberación Nacional (FMLN) e Secretaria de Relações Internacionais do grupo de guerrilha que se transformou em partido político. Nidia Diaz, que na imagem aparece na conferência de imprensa para anunciar o XXII Encontro do Foro de São Paulo, é a Secretária Geral do evento promovido pela organização comunista em El Salvador. 


III.

XXII Encontro do Foro de São Paulo - El Salvador, 2016. 

. "Documento base" [2] - notas de leitura.  

III. 1. 

O documento do Foro de São Paulo reafirma a natureza e o propósito da organização comunista desde a sua criação - há vinte e seis anos: um "gran espacio de convergencia, debate, ACCIÓN CONJUNTA y SOLIDARIDAD MUTUA de los PARTIDOS, ORGANIZACIONES y MOVIMIENTOS POLÍTICOS de izquierda y progresistas de América Latina y el Caribe" (Cf. imagem. Doc. p. 03).

Os céticos e cabeças-duras deveriam entender de uma vez por todas: o Foro de São Paulo não é uma simples "reunião" de "camaradas". Trata-se de uma organização comprometida com a AÇÃO - mais uma vez: AÇÃO - CONJUNTA entre os seus membros, integrantes e parceiros.   

Mas o trecho em destaque diz mais. Fala de PARTIDOS, ORGANIZACIONES y MOVIMIENTOS POLÍTICOS de izquierda y progresistas - traduzindo: COMUNISTAS - cuya INTERECCIÓN constructiva y fraterna con las fuerzas populares de TODO EL PLANETA se ha INCREMENTADO y PROFUNDIZADO a lo largo de este cuarto de siglo y lo seguirá haciendo en el futuro". 

Portanto, o Foro de São Paulo representa o bloco comunista na América Latina; porém, ele está ligado a uma rede mundial de "partidos", "organizaciones" e "movimientos políticos" - está integrado ao movimento comunista internacional.

III. 2.

Eis a AÇÃO CONJUNTA e a SOLIDARIEDADE dos membros do Foro de São Paulo. Governos, partidos e a força auxiliar dos "movimentos sociais" - todos comprometidos com um PROJETO ÚNICO de poder: com a construção da "Patria Grande" comunista na América Latina (Cf. imagem) [3]. 

Os princípios de "ação conjunta" e de "solidariedade" impulsionam os agentes ligados ao esquema comunista a apoiarem e promoverem projetos e iniciativa uns dos outros. Eles são base também para a defesa mútua, no caso de um suposto "ataque" ou de uma ameaça ao consórcio de poder. Como mostra o trecho do documento em destaque, o Foro de São Paulo está integrado a uma rede mundial. Por isso, por exemplo, governos e partidos apresentam declarações de repúdio, aparece por todos os cantos um grupo com uma bandeira ou alguém segurando uma folha ou cartaz contra o "golpe" no Brasil - contra o impeachment que afastou o fantoche do Foro de São Paulo da Presidência da República. É a "solidariedade" do movimento comunista internacional.

(*) Transcrição do texto da imagem: 

"LA BATALLA de CADA FUERZA POLÍTICA y SOCIAL DE IZQUIERDA y PROGRESISTA, y de CADA GOBIERNO de izquierda y progresista, ES LA BATALLA DE TODAS Y CADA UNA DE LAS FUERZAS POLÍTICAS Y SOCIALES DE IZQUIERDA Y PROGRESISTA de América Latina y el Caribe, Y EL RESTO DEL MUNDO. Entre otros requerimientos, eso implica FORTALECER la UNIDAD DEL FORO DE SÃO PAULO y su ya tradicional INTERRELACIÓN CONSTRUCTIVA con la Conferencia Permanente de Partidos Políticos de América Latina y el Caribe (COPPPAL), con NUESTROS PARTIDOS y MOVIMIMENTOS POLÍTICOS HERMANOS de América del Norte, Europa, Asia, África, Medio Oriente y Oceanía, y con TODAS LAS REDES y CAMPAÑAS de MOVIMIENTOS SOCIALES POPULARES DEL PLANETA" (Doc. p. 33).  

III. 3.


A imagem I apresenta um trecho do documento que deixa claro: as "bandeiras" ditas "sociais" e "populares" são manipuladas - e até criadas - pelo Foro de São Paulo com um único objetivo: colocar os comunistas no poder (Doc. p. 13). 

Ideologia de gênero - comunidade LGBT-gayzista-feminista -, movimento negro, indigenista e quilombola, ativismo ambiental - além dos sem-terra e sem-teto, entidades sindicais, movimento estudantil e de juventude, "intelectuais" e "agentes culturais", enfim, - tudo o que "foi decisivo" para alçá-los - será utilizado como plataforma para conquistar novas posições de poder ou manter as já conquistadas.  

Para obter uma amostra recente desse mecanismo de ação basta olhar para a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados [CDHM]. O colegiado foi declarado pelo seu novo presidente - João, o "padre" do PT - "trincheira" de "luta" e de "resistência" comuno-petista [4]. Trata-se da instrumentalização de supostos "direitos" e de bandeiras tidas como "sociais" e "populares", e da utilização delas para reconduzir o fantoche do Foro de São Paulo à Presidência da República - Dilma Rousseff, afastada do cargo por conta do processo de impeachment que o "apóstolo" da Teologia da Libertação chama sem vergonha alguma de "golpe". 

A propósito. "Golpe". O Foro de São Paulo - ora, ora, que "coincidência"... - apresenta a mesma tese. Veja a imagem II (Doc. p. 21). A organização comunista também faz terrorismo com a ameaça às "conquistas alcançadas" - aos supostos "direitos" - afirma até que o "futuro do Brasil" está em "risco". E ressalta o papel na promoção de protestos e manifestações de "sectores populares, de izquierda y progresistas de la sociedad brasileña" - ou seja, de agentes e organizações que trabalham para o esquema comuno-petista - e do movimento comunista internacional ao qual está integrado [5]. 


REFERÊNCIAS.

[1]. Cf. "Foro de São Paulo: a gênese criminosa da 'Patria Grande' comunista", nota II [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/08/foro-de-sao-paulo-genese-criminosa-da.html].

[2]. Cf. XXII Encontro do Foro de São Paulo - Documento base [http://forodesaopaulo.org/documento-base-base-document/].

[3]. Cf. Nota de leitura III. 1. 

[4]. Cf. "CDHM: 'Padre' do PT comanda 'trincheira' comuno-petista" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/cdhm-padre-do-pt-comanda-trincheira.html].

[5]. Cf. Notas de Leitura III. 1. e III. 2.    

Saturday, June 18, 2016

Estratégia comuno-petista.

Bruno Braga.


Os estados e os municípios tornaram-se alvo de protestos. As manifestações foram intensificadas com rapidez e certa eficiência com o afastamento da Presidente Dilma Rousseff após a abertura do processo de impeachment. Não se trata de obra do cidadão comum, descontente com a situação política do país, mas de uma iniciativa relativamente organizada. 

No XXI Encontro do Foro de São Paulo, realizado em 2015, no México, houve um evento próprio para "Autoridades Locales y Sub-nacionales". O objetivo era transferir os projetos comunistas para as Câmaras Municipais e Assembleias Legislativas. Um movimento estratégico de interiorização que afastaria deles os holofotes nacionais e, consequentemente, os deixariam menos expostos a críticas e resistências. Tendo em tais esferas administrativas - municípios e estados - uma rede de militantes e grupos de pressão disfarçados de "movimentos sociais", o trabalho de implementar os projetos seria em tese facilitado. Exemplo disso foi a tentativa sorrateira do governo petista de patrocinar a inclusão da ideologia de gênero nos planos municipais e estaduais de educação depois que o Congresso Nacional baniu o disparatado projeto de engenharia social e comportamental do Plano Nacional de Educação (PNE) [1].

Então veio a abertura do processo de impeachment contra Dilma Rousseff, e o fantoche do Foro de São Paulo viu-se afastado da Presidência da República. A militância comuno-petista mais ostensiva - os sem-terra e os sem-teto - havia prometido: se isso acontecesse, o Brasil iria parar [2]. Bastou a ordem de comando para que toda a rede de agentes e de grupos de pressão passasse a agir em nome da "democracia" e contra um suposto "golpe". Militantes com o disfarce de "movimentos sociais" e "populares", em entidades de classe e sindicatos, fantasiados de "estudantes" e "professores", com a máscara de "intelectual" e "agente cultural". Greves, paralisações, reivindicações de Ministérios, ocupações de escolas, Institutos e Universidades Federais - que são centros de adestramento da militância comunista -, ocupações das Câmaras Municipais e Assembleias Legislativas. 

A tropa recebeu o reforço de João, o "padre" do PT que assumiu a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados [CDHM] e anunciou: o colegiado será uma "trincheira" de "luta" e de "resistência". Para a batalha, o "apóstolo" da Teologia da Libertação reuniu aquele mesmo "exército" de "movimentos sociais" que está a serviço do PT para gritar contra o "golpe" e fazer terrorismo com "direitos" que foram supostamente "adquiridos" e "conquistados" - ou mesmo inventados como arma de guerra [3]. 

Claro, não se trata aqui de negar os problemas e dificuldades de ordem local, absolver prefeitos ou livrar os governos estaduais de suas responsabilidades, mas sim observar a estratégia ardilosa de utilizar esses problemas e dificuldades - ou mesmo de criá-los - como pretexto para abrir vários focos de "luta" e, com eles, forçar o acolhimento das reivindicações "populares", apresentadas por agentes, grupos, movimentos ditos "sociais" comprometidos com a preservação do esquema de poder comuno-petista.    


REFERÊNCIAS.

[1]. "Foro de São Paulo: confabulação comunista no México" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/08/foro-de-sao-paulo-confabulacao.html].

[2]. Cf. (a) "'O Brasil será incendiado por greves e ocupações se houver impeachment e prisão de Lula', diz Boulos". Estadão, 22 de março de 2016 [http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-sera-incendiado-por-greves-e-ocupacoes-se-houver-impeachment-e-prisao-de-lula--diz-boulos,10000022683]; (b) "Líder do MST convoca greve geral caso o impeachment seja aprovado". Valor, 16 de abril de 2016 [http://www.valor.com.br/politica/4526427/lider-do-mst-convoca-greve-geral-caso-o-impeachment-seja-aprovado].

[3]. Cf. (a) "CDHM: 'Padre' do PT comanda 'trincheira' comuno-petista" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/cdhm-padre-do-pt-comanda-trincheira.html]; (b) "Mariana: 'movimentos populares' e 'trincheira' comuno-petista [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/mariana-movimentos-populares-e.html]. 

Friday, June 17, 2016

Mariana: "movimentos populares" e "trincheira" comuno-petista.

Bruno Braga.


Em duas notas anteriores tratei da instrumentalização da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados [CDHM]. João - o "padre" do PT - assumiu o colegiado e afirmou que ele será uma "trincheira" de "luta" e de "resistência" para as ambições políticas comuno-petistas com o afastamento da Presidente Dilma Rousseff por causa da abertura do processo de impeachment - processo que o "apóstolo" da Teologia da Libertação chama cinicamente de "golpe" [1].

A "trincheira", contudo, não está aberta apenas na Câmara dos Deputados, ela foi cavada também na Arquidiocese de Mariana, em Minas Gerais. Veja a foto abaixo.


Trata-se do "Encontro Brasileiro dos Movimentos Populares em Diálogo com o Papa Francisco", evento realizado na cidade mineira de Mariana entre os dias 02 e 04 de junho. Com o microfone discursa João, o novo presidente da CDHM. No palco, estendidas, aparecem as bandeiras dos tais "movimentos populares" - junto com uma de Cuba - grupos e organizações que trabalham para o esquema comuno-petista e que o "padre" do PT reuniu na "trincheira" comandada por ele na Câmara dos Deputados. 

Se o leitor mais desconfiado não acredita no que os seus olhos veem, que leia a "Carta do Encontro Brasileiro de Movimentos Populares", reproduzida no site da Arquidiocese de Mariana. O documento traz slogans e ideais comunistas - parêntese: slogans e ideais contrários aos princípios e orientações da própria Igreja - e, claro, a tese criada para enganar não só os católicos mas a população inteira: a de que a Presidente Dilma é vítima de um "golpe" e que o governo em exercício é uma "ameaça" a "direitos" supostamente "conquistados". Veja:
"NESTE MOMENTO DE TREVAS NO PAÍS, O ENCONTRO BRASILEIRO SURGE COM UMA LUZ. Nos últimos anos, o modelo de desenvolvimentos adotado foi favorecido pelo contexto internacional, possibilitou avanços e garantias de DIREITOS sociais, mas muito lucro para o capital. Com a crise do capitalismo mundial iniciada em 2008, este modelo se esgotou. As forças do capital querem garantir seus interesses, mas nosso povo vem resistindo. TOMARAM O GOVERNO FEDERAL por meio de um GOLPE, com apoio do Congresso Nacional e do Judiciário brasileiro, impondo o modelo neoliberal derrotado por quatro vezes nas urnas" [2].    
É preciso observar que o Encontro Brasileiro é uma expressão local do Encontro Mundial de Movimentos Populares. As duas edições deste último - realizado no Vaticano, em 2014, e na Bolívia, em 2015 - e que contaram com a presença do Papa Francisco, foram uma amostra de como os comunistas ardilosamente entraram dentro da Igreja utilizando o disfarce de "movimentos populares" e "sociais" e reivindicando "direitos". A presença e atuação de Evo Morales - um cocaleiro travestido de índio que trabalha para o Foro de São Paulo - foram um escândalo [3]. O terceiro Encontro Mundial dos Movimentos Populares está programado para 2017, e será realizado justamente em Mariana - pelo visto, será mais um evento de militância comuno-petista.

João Pedro Stédile - líder do MST, grupo de guerrilha rural do Foro de São Paulo - em Mariana.

Dom Geraldo Lyrio Rocha, Arcebispo de Mariana, no "Encontro Brasileiro de Movimentos Populares".

Militância comuno-petista.

REFERÊNCIAS.

[1]. Cf. CDHM: "Padre" do PT comanda "trincheira" comuno-petista [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/06/cdhm-padre-do-pt-comanda-trincheira.html].

[2]. Cf. "Carta do Encontro Brasileiro de Movimentos Populares em Dialogo com o Papa Francisco" [http://www.arqmariana.com.br/carta-do-encontro-brasileiro-de-movimentos-populares-em-dialogo-com-o-papa-francisco/].

[3]. Cf. "Francisco: a cruz, a foice e o martelo" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/07/francisco-cruz-foice-e-o-martelo.html].

Thursday, June 16, 2016

CDHM: "Padre" do PT comanda "trincheira" comuno-petista.

Bruno Braga.
Notas publicadas no Facebook.


I.

No dia 03 de maio, João assumiu a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias [CDHM] da Câmara dos Deputados. João é um dos "padres" do PT. Um "apóstolo" da Teologia da Libertação, do simulacro de teologia criado para distorcer a fé, enganar os católicos e parasitar a Igreja Católica para favorecer o esquema de poder comuno-petista [1].

O novo presidente da CDHM afirmou que a Comissão será uma "trincheira" de "luta" e de "resistência". Ele denunciou a violação de "direitos" e, de imediato, apontou uma suposta violação do "direito à soberania do voto". Um referência clara à Presidente Dilma Rousseff, que para se defender do impeachment alardeia - como João - a falsa tese de "golpe" (Cf.  vídeo).


Não são apenas manifestações explícitas, como a do seu presidente, que caracterizam a instrumentalização da Comissão de Direitos Humanos. Os próprios "direitos" e "bandeiras" são utilizados como "armas". Há uma gritaria cínica que anuncia o perigo de um "retrocesso", o risco de "direitos" que foram "conquistados" serem "perdidos" com a mudança de governo. Gritaria e protestos promovidos pela comunidade LGBT-gayzista-feminista, pelos sem-terra do MST e sem-teto do MTST, pelo movimento negro, indigenista e quilombola, por grupos estudantis e de juventude, por "intelectuais", "agentes culturais" e entidades sindicais. Todos militantes dos "direitos humanos" vinculados ao esquema de poder do PT. 

A Comissão de Direitos Humanos é "trincheira" e os tais "direitos" são munição para o terrorismo comuno-petista. Um parlamentar que se apresenta como "padre" à frente de uma batalha sórdida, que para ser bem-sucedida precisa enganar a população, é uma amostra - mais uma - do tipo de sacerdócio que exerce, a quem ele serve e tem como senhor, pois as "bandeiras" que levanta contrariam frontalmente os princípios e orientações da Igreja Católica.  

II.

CDHM: o "padre" do PT e a estratégia comuno-petista.


João - o "padre" do PT - presidiu a sua primeira audiência na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. A sessão, realizada no dia 18 de maio, foi uma confissão pública de como a CDHM servirá de "trincheira" e como os "direitos humanos" serão transformados em "armas" para o terrorismo comuno-petista [2]. Assista ao vídeo. 


O discurso é um só: o atual governo assumiu o poder por meio de um "golpe" e é uma ameaça aos "direitos". A deputada abortista Erika Kokay (PT-DF) - empenhada na legalização do assassinato de crianças inocentes - afirma com convicção e sem se ruborizar o "direito de ser" e um tal "direito de amar". Paulo Pimenta (PT-RS) é categórico: a Comissão de Direitos Humanos será "FUNDAMENTAL para MOBILIZAR o 'povo brasileiro', para dizer 'não' aos 'golpistas'". Porém, o "povo brasileiro" para o ex-presidente da CDHM não é formado pelo cidadão comum. "Povo brasileiro" significa "movimentos sociais", ou seja, grupos que trabalham para o PT. Na primeira audiência como presidente, João reuniu mais de sessenta "entidades" na Câmara Federal (Cf. vídeo). Um "exército" de sessenta "entidades" a serviço do esquema comuno-petista.  

Uma observação final. É preciso lembrar que os comunistas chegaram ao poder fazendo uma revolução - não exclusivamente com armas, estratégia com a qual não obtiveram sucesso - mas uma revolução cultural. Um dos artifícios utilizados foi o disfarce, e justamente o disfarce de militante e ativista dos "direitos humanos". Com ele, os seus agentes passaram a dominar o sistema educacional e promoveram suas carreiras políticas. Dilma Rousseff é um exemplo notório: a terrorista comunista que tornou-se Presidente da República. É verdade que as máscaras estão caindo. Basta ver como as pessoas já reconhecem os terroristas que se travestem de pobres "torturados" [3]. Contudo, os comunistas estão reformando o disfarce: com o impeachment da mandatária comuno-petistas, fingem-se de "vítimas" de um "golpe". A camuflagem é mais uma vez a dos "direitos humanos", e recebe, também como no passado, as "bençãos" do traiçoeiro "apostolado" da Teologia da Libertação - na Câmara dos Deputados, a "benção" de João, "padre" do PT e novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias [CDHM].

REFERÊNCIAS.

[1]. Para quem não conhece João, o deputado federal do PT que se apresenta como "padre", leia: "João: idolatria do "Jararaca", serviço à quadrilha comuno-petista e Teologia da Libertação" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/04/joao-idolatria-do-jararaca-servico.html]; "CNBB: templo do 'apostolado' comuno-petista" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/07/cnbb-templo-do-apostolado-comuno-petista.html]; "O 'padre' do PT: o 'Robert' e a campanha para um agente do Foro de São Paulo" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/04/o-padre-do-pt-o-robert-e-campanha-para.html]; "João - 'vida dupla', improbidade administrativa e guerrilha rural dos sem-terra" [http://b-braga.blogspot.com.br/2015/02/joao-vida-dupla-improbidade.html]; "Os 'padres' que absolveram Dilma" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/12/os-padres-que-absolveram-dilma.html]; "O 'apostolado' do SOCIALISMO-COMUNISMO em Brasília" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/03/o-apostolado-do-socialismo-comunismo-em.html]; "JOÃO e o seu 'apostolado da revolução'" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/05/joao-e-o-seu-apostolado-da-revolucao.html].

[2]. Leia: "'Padre' do PT comanda 'trincheira' comuno-petista" [https://www.facebook.com/blogbbraga/posts/641774089304540].

[3]. Cf. "Bolsonaro, Ustra: o 'torturador' e a mitologia comunista" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/04/bolsonaro-ustra-o-torturador-e.html]; "E os 'torturadores' comunistas? Estupro, escravidão sexual, crânio esfacelado e assassinato dos próprios filhos" [http://b-braga.blogspot.com.br/2016/05/e-os-torturadores-comunistas-estupro.html].

Sunday, June 12, 2016

Confrontando sectários importantes.

Introdução do livro "Bearing False Witness: Debunking Centuries of Anti-Catholic History". Templeton Press, 2016. pp. 01-07 [1]. 

Tradução. Bruno Braga.


Eu crescia como um Americano Protestante com ambições intelectuais e sempre perguntava por que os Católicos faziam tanto barulho no Dia de Colombo. Eles não percebiam a ironia no fato de que, embora Colombo fosse Católico, sua viagem de descoberta havia sido realizada com a oposição inflexível de prelados Católicos, que citavam provas bíblicas de que a Terra era plana e que qualquer tentativa de alcançar a Ásia navegando a Oeste acabaria com a queda das embarcações no abismo do mundo?

Todo mundo sabia isso sobre os Católicos e Colombo. Nós não aprendemos isso apenas na escola, a história de Colombo provando que o mundo é redondo também foi contada em filmes, encenada na Broadway e apresentada até em canções populares. Mas, lá estavam eles todo dia 12 de outubro: uma multidão de membros dos Cavaleiros de Colombo, acompanhada de sacerdotes, marchando em comemoração à chegada do "Grande Navegador" no Mundo Novo. Quanto absurdo.

E como foi surpreendente descobrir anos mais tarde que toda a história sobre por que os consultores Católicos fizeram oposição a Colombo era mentira. 

Por volta do século XV (e por séculos antes) todo Europeu instruído, incluindo os prelados Católicos, sabia que a Terra era redonda. A oposição a Colombo não era quanto à forma da Terra, mas sobre o fato de que ele estava barbaramente enganado a respeito da circunferência do globo. Ele estimou que era de aproximadamente 2.800 milhas das Ilhas Canárias ao Japão. Na realidade, era de 14.000 milhas. Seus oponentes clericais sabiam o quão distante isso realmente era e opuseram à viagem o argumento de que Colombo e seus homens morreriam todos no mar. Não estivesse o Hemisfério lá, e ninguém sabia que ele existia, "Niña", "Pinta" e "Santa Maria" poderiam muito bem ter caído da Terra, porque todos a bordo teriam morrido de fome e sede.

Surpreendentemente, não havia nenhum indício de que Colombo teve que provar que a Terra era redonda nem no seu próprio jornal nem no livro do seu filho, "História do Almirante" ["History of Admiral"]. Trezentos anos depois, a história ainda não era conhecida, quando então apareceu na biografia de Colombo publicada em 1828. O autor, Washington Irving (1783-1859), é mais conhecido por sua ficção - em "A Lenda da Caverna Adormecida" ["The Legend of Sleepy Hollow"] ele apresentou o Cavaleiro sem Cabeça. Embora o conto sobre Colombo e a Terra plana fosse ficcional, Irving o anunciou como fato. Quase que imediatamente, a história foi abraçada com entusiasmo pelos historiadores, que, de tão certos da perversidade e estupidez da Igreja Católica, não viram nenhuma necessidade de procurar uma comprovação adicional - alguns deles devem ter percebido que a história surgiu do nada. De qualquer forma, foi como a tradição de Colombo provar que o mundo era redondo entrou em todos os livros.

No tempo de Washington Irving, este modelo foi muito utilizado: várias mentiras e distorções entravam no cânon histórico com o selo distinto de aprovação acadêmica, desde que apresentassem de forma negativa a Igreja Católica (tenha em mente que a entrada dos Católicos foi recusada em Oxford e Cambridge até 1871, e algumas faculdades Americanas não os admitiam naquela época). Lamentavelmente, ao contrário da história de Colombo, muitas dessas falsas acusações anti-Católicas permanecem como parte reconhecida do patrimônio histórico ocidental. Uma pesquisa realizada em 2009 nos livros da Áustria e da Alemanha revelou que a mentira sobre Colombo e a Terra redonda ainda era ensinada naqueles países!

Tudo começou com as guerras Europeias decorrentes da Reforma, que opuseram Protestantes e Católicos, ceifando milhões de vidas, e durante a qual a Espanha emergiu como a maior força Católica. Em resposta, Inglaterra e Holanda promoveram intensas campanhas de propaganda que representavam os espanhóis como bárbaros fanáticos e sanguinários. O notável historiador medieval, Jeffrey Burton Russell, explica: "Vários livros e panfletos foram despejados das prensas do norte, acusando o Império Espanhol de depravação desumana e atrocidades horríveis... A Espanha foi representada como um lugar de escuridão, ignorância e mau". Estudiosos modernos e informados não só rejeitam essa imagem maliciosa, eles deram a ela um nome: "Lenda Negra". No entanto, essa impressão da Espanha e dos Católicos espanhóis continua muito viva em nossa cultura - a simples menção à "Inquisição Espanhola" evoca repugnância e indignação.

O mito da barbaridade Católica. Essa gravura de 1598, publicada na Holanda, mostra um aristocrata Espanhol alimentando seus cachorros com crianças indígenas. Típica propaganda anti-Espanhola, anti-Católica daquele tempo (Imagem e legenda publicadas no livro de Rodney Stark em tela). 

Mas não foram apenas Protestantes raivosos que inventaram e abraçaram esses contos. Muitas das falsidades consideradas nos capítulos subsequentes foram patrocinadas por escritores anti-religiosos, especialmente durante o chamado Iluminismo - cujos trabalhos foram aceitos e tolerados só porque  eram vistos como anti-Católicos, e não pelo que realmente eram - mais recentemente, esse tipo de intelectual tem exibido sua irreligião e o seu desprezo pelo Catolicismo. Na sua época, no entanto, Edward Gibbon (1737-1794) certamente estaria em apuros, se as amargas visões antirreligiosas que ele apresentou na "História do declínio e queda do Império Romano" ["The History of the Decline and Fall of the Roman Empire"] não fossem vistas incorretamente como aplicadas apenas ao Catolicismo Romano. Mas, como o Catolicismo era a única Igreja Cristã no tempo do Império Romano, os leitores de Gibbon tomaram os seus ataques como específicos ao Catolicismo e não destinados à religião em geral.         

Embora Gibbon fosse um dos primeiros "sectários importantes" - ele está em ótima companhia - a lista dos celebrados intelectuais anti-Católicos (alguns deles ainda vivos) é de fato longa. Encontraremos dezenas deles nos próximos capítulos - alguns, muitas vezes. Pior. Nos últimos anos, algumas das contribuições mais malignas para a história anti-Católica são de Católicos alienados, muitos deles desistiram do seminário, são ex-padres e ex-freiras, como John Cornwell, James Carroll e Karen Armstrong. Normalmente, ataques vindos de desertores de um grupo particular são tratados com alguma cautela. Porém, ataques contra a Igreja Católica proferidos por Católicos "não praticantes" são amplamente considerados como de uma confiabilidade especial!

Em todo caso, se você acredita em qualquer uma das seguintes afirmações, deve suspeitar que o seu conhecimento sobre a história do Ocidente está distorcido: 
. A Igreja Católica motivou e participou ativamente de quase dois milênios de violência anti-Semita, justificando-a em razão de que os judeus foram responsáveis pela Crucifixão, até que o Concílio Vaticano II, envergonhado, retratou-se em 1965. Mas, a Igreja ainda não se corrigiu pelo fato de Pio XII ser justamente conhecido como o "Papa de Hitler";
. Só recentemente tomamos conhecimento de evangelhos cristãos extremamente iluminados, que há muito tempo foram suprimidos por prelados Católicos de mente estreita;
. Uma vez no poder, como a igreja oficial de Roma, os Cristãos perseguiram rápida e brutalmente o paganismo;
. A queda de Roma e a ascendência da Igreja precipitaram o declínio da Europa em um milênio de ignorância e de atraso. Essa Idade das Trevas durou até o Renascimento / Iluminismo, quando intelectuais seculares romperam as centenárias barreiras católicas contra a razão;
. Iniciadas pelos Papas, as Cruzadas foram o primeiro capítulo sangrento na história do brutal e sem motivo colonialismo Europeu;
. A Inquisição Espanhola torturou e assassinou um número enorme de pessoas inocentes por crimes "imaginários", como bruxaria e blasfêmia;
. A Igreja Católica temeu e perseguiu os cientistas, como o caso de Galileu deixa claro. Por isso, a "Revolução" Científica aconteceu principalmente nas sociedades Protestantes, pois somente lá a Igreja Católica não podia suprimir o pensamento independente;
. Estando completamente confortável com a escravidão, a Igreja Católica não fez nada para se opor à sua introdução no Novo Mundo nem para fazê-la mais humana;
. Até pouco tempo, a visão Católica do Estado ideal era resumida na frase "O direito divino dos reis". Consequentemente, a Igreja resistiu de forma dura aos esforços para estabelecer governos mais liberais, apoiando ativamente ditadores;
. Foi a Reforma Protestante que quebrou o controle repressivo Católico sobre o progresso e inaugurou o capitalismo, a liberdade religiosa e o mundo moderno.
Cada uma dessas afirmações é parte de uma cultura comum, que é amplamente aceita e frequentemente repetida. No entanto, as afirmações são falsas e, muitas, o exato oposto da verdade! Um capítulo será dedicado a resumir as repetições recentes de cada uma e demonstrar que são falsas.

É pertinente observar que eu não decidi escrever este livro do nada. Antes, no processo de redação de outros livros sobre história medieval e Cristianismo primitivo, encontrei sérias distorções enraizadas em um evidente anti-Catolicismo - os autores muitas vezes expressavam de forma explícita o seu ódio contra a Igreja. Tendo escritos paralelos nesses primeiros livros sobre muitos dos exemplos citados acima, decidi finalmente que a expressiva história anti-Católica é muito importante, e as suas consequências são muito generalizadas para serem deixadas para refutações dispersas. Então, reuni, revi e substancialmente ampliei minhas questões anteriores e fui acrescentando outras. Ao fazê-lo, não procurei "branquear" a história da Igreja. Naqueles mesmos livros, escrevi longamente sobre clero corrupto, ataques brutais contra "hereges" e sobre os mais recentes desvios e faltas da Igreja, como encobrir padres pedófilos e a defesa equivocada da Teologia da Libertação. Porém, não importa o valor que se coloque nesses aspectos negativos da história da Igreja, ele não justifica os exageros extremos, as acusações falsas e as fraudes patentes tratadas nos capítulos seguintes. Diante dessa enorme literatura de mentiras, eu ouvi as palavras de Garrett Mattingly (1900-1962), da Universidade de Columbia: "Aos mortos não importa se recebem a justiça das mãos das sucessivas gerações; mas, para os vivos, fazer justiça, ainda que tardiamente, deveria importar". 

Você deve estar se perguntando, se essas mentiras são tão evidentes, por que então elas ainda perduram? Em parte, porque são reforçadas e estão profundamente enraizadas na nossa cultura comum, dando uma impressão de que seria impossível que fossem mentira. Supõe-se facilmente que, na nossa época "iluminada", essas afirmações, se fossem falsas, teriam sido rejeitadas há muito tempo. Eu confesso que, quando me deparei pela primeira vez com a afirmação de que a Inquisição Espanhola derramou muito pouco sangue e que foi principalmente uma grande força de apoio à moderação e à justiça, eu a recusei como um ato de revisionismo estranho e interessado em atenção. Porém, ao investigar mais, fiquei chocado ao descobrir que, na verdade, entre outras coisas, foi a Inquisição que impediu a febre assassina contra a bruxaria, que floresceu na maior parte da Europa durante os séculos XVI e XVII, espalhando-se para a Espanha e para a Itália. Em vez de queimar bruxas, os inquisidores enforcaram algumas poucas pessoas por terem elas queimado bruxas.

Tenha certeza, não será exigido de você que tome as minhas palavras nessas refutações. Fiz pesquisas básicas necessárias para derrubar certas afirmações espúrias anti-Católicas, e, nesses casos, documentei tanto as minhas descobertas que qualquer um pode checá-las. Mas, na maioria dos casos, eu simplesmente relato a visão predominante entre os especialistas qualificados. Infelizmente, mesmo que reclamem por causa da sobrevivência de uma fabricação anti-Católica, a maior parte desses especialistas continha escrevendo apenas para eles mesmos, não se compromete a compartilhar o seu conhecimento com o público em geral - o mito de Colombo continuou nos livros e na cultura popular décadas após os estudiosos terem traçado a sua origem fraudulenta. Eu me comprometi a fazer o trabalho desses grandes estudiosos - amplamente acessíveis - tendo o cuidado de citar e reconhecer o trabalho deles - biografias curtas da maioria dos colaboradores serão apresentadas em cada capítulo.

Finalmente, eu não sou Católico, e não escrevi este livro na defesa da Igreja. Eu o escrevi na defesa da história.     


REFERÊNCIAS.

Sunday, June 05, 2016

Maçonaria.

Bruno Braga.
Notas publicadas no Facebook.


I.

A Maçonaria prega a construção de uma "Nova Civilização". O que pressupõe não só o arranjo de um novo sistema político mas o estabelecimento de um novo formato de religião. Para erguer essa "Civilização", portanto, será necessário destruir a "antiga", isto é, a atual, que é de base judaico-cristã.

A Teologia da Libertação cumpre um propósito análogo. Ela foi criada para ser perniciosamente inoculada dentro da Igreja e, do seu interior, promover a distorção da fé, ludibriar os católicos, transformá-los em "militantes", construtores do "Paraíso na Terra", que se faz com a implantação de um regime comunista. 

Bom. Nem sempre é caso de má-fé. No entanto, padres têm pregado com frequência uma tal "Civilização do Amor". Do modo em que a apresentam, eles reduzem a missão que Cristo confiou aos apóstolos ao "serviço", à mera ação social. Deixam de lado a "conversão" e o anúncio do Reino, que é a salvação no Céu. Com isso, a "Civilização do Amor" - que não aparece com compasso e esquadro, com foice e martelo, bandeiras vermelhas - mas onde as religiões estão todas unidas sob um sistema político de caráter global - converge para os mesmos ideais maçônicos e comunistas. Serve aos inimigos da Igreja Católica no trabalho de minar e destruir a Civilização judaico-cristã.   

II.

Para construir a "Nova Civilização", a Maçonaria precisa necessariamente anular a Igreja Católica, uma vez que a civilização atual é ainda essencialmente cristã. E ela pode fazê-lo de duas formas. Por confronto direto, em associação com o poder político e até com a força das armas. Em dois casos esse tipo de iniciativa é mais evidente: na Revolução Francesa e no México, no governo de Elías Calles, na década de 1920 [1].

Mas a Maçonaria pode combater a Igreja Católica também de forma indireta. É a ação no domínio cultural, por meio do sistema educacional, da imprensa, por agentes de influência, como autoridades públicas e "intelectuais". Para ilustrar esse tipo de ação, basta mencionar a disseminação da falsa ideia de que todas as religiões são iguais - que é um dos meios que os próprios maçons utilizam para seduzir e atrair as pessoas às suas lojas e criar uma boa reputação pública, com uma aparência de "tolerância" e de aceitação do "diferente". Porém, com o sincretismo da seita maçônica, Jesus Cristo - o próprio Deus encarnado - teria o mesmo status de um pai-de-santo. A única Igreja que Ele fundou teria a mesma excelência de um terreiro de macumba - e acabaria rebaixada, com todo o seu poder de influência, no domínio social e político.

III.

A primeira pergunta que toda pessoa deveria fazer ao som da aparente boa reputação da Maçonaria e da propaganda que os "iniciados" fazem da seita é a seguinte: se a Maçonaria é apenas uma associação filantrópica e humanitária com o propósito de promover a solidariedade, a tolerância e a caridade, o "aperfeiçoamento", o "progresso" e o "desenvolvimento" do homem e da sociedade, então, por que diabos tem que ser secreta?

IV.

O "segredo" dá à Maçonaria uma espécie de "vantagem" que outros atores públicos não têm. Encoberta e protegida por ele, a seita pode patrocinar qualquer tipo de iniciativa - e em qualquer domínio, seja político, social, religioso, educacional, etc. - que terá o privilégio de esconder os insucessos e fracassos - recuar no que acaba mal-visto pela opinião pública - e evitar qualquer tipo de responsabilização. Os "iniciados" e os "veneráveis" grão-mestres, então, podem ostentar apenas as realizações e conquistas, as "boas obras" que "generosamente" oferecem ao mundo para a construção da tal "Nova Civilização".    

V.

É possível - e necessário - estudar a Maçonaria pela sua origem e história. Rastrear as lojas existentes e identificar os seus agentes - os "iniciados". Inteirar-se dos seus princípios e orientações, da sua forma de organização. Analisar os programas e projetos, e avaliar o poder de influência e os meios de ação que a seita tem para realizá-los. No entanto, na ausência ou incompletude de todo esse conhecimento, ou se a pessoa ainda não compreendeu muito bem o que é, o Padre Pio dá a palavra definitiva sobre a Maçonaria. 


Leia a Reprodução de uma carta que o Santo de Pietrelcina escreveu para o seu diretor espiritual:  
"Meu caríssimo Padre,
"Na sexta-feira pela manhã, eu ainda estava na cama quando Jesus me apareceu. Estava todo maltratado e desfigurado. Ele me mostrou uma grande multidão de sacerdotes regulares e seculares, entre os quais vários dignitários eclesiásticos; destes, uns estavam celebrando, outros falando, e outros se despindo das vestes sagradas.
"Como a visita de Jesus angustiado causava-me muita dor, eu quis Lhe perguntar por que Ele sofria tanto. Não obtive resposta. Contudo, seu olhar recaiu sobre aqueles sacerdotes; mas, pouco depois, quase como se estivesse horrorizado e cansado de ver, Ele retirou o olhar e, quando o pousou sobre mim, com grande horror observei duas lágrimas que Lhe sulcavam  o rosto. Ele se afastou daquela multidão de sacerdotes com uma grande expressão de desgosto em seu rosto, gritando: "Açougueiros!".
"E voltando-se para mim, disse: “Meu filho, não creia que minha agonia durou apenas três horas, não; Eu estarei, por causa das almas mais beneficiadas por Mim, em agonia até o fim do mundo. Durante o tempo de minha agonia, meu filho, não se deve dormir. Minha alma vai à procura de qualquer gota de piedade humana, mas ai daqueles que me deixam sozinho sob o peso da indiferença. A ingratidão e o sono dos meus ministros tornam mais aguda a minha agonia.
"Ai daqueles que correspondem mal ao Meu amor! E o que mais Me aflige e custa, é que à indiferença eles somam o desprezo, a incredulidade. Quantas vezes estive para fulminá-los, se não fosse impedido pelos anjos e pelas almas que Me veneram... Escreva ao seu diretor espiritual e narra-lhe tudo o que viu e ouviu de Mim esta manhã. Diga a ele que mostre sua carta ao Padre provincial...”
"Jesus ainda continuou, mas o que me disse jamais poderei revelar a nenhuma criatura deste mundo. Esta aparição causou-me tanta dor no corpo, e mais ainda na alma, que durante todo o dia fiquei prostrado e achei que ia morrer, se o dulcíssimo Jesus já não me tivesse revelado...
"Jesus tem infelizmente razão de lamentar de nossa ingratidão! Quantos de nossos irmãos desgraçados não correspondem ao amor de Jesus lançando-se de braços abertos na infame seita da Maçonaria! Oremos para  que o Senhor ilumine suas almas e toque seus corações.”
(*) APUD. [http://www.catolicostradicionais.com.br/2014/10/religiosos-membros-da-maconaria.html]. Fonte: Lettera di Padre Pio al Suo Padre spirituale P. Agostino, in "Padre Pio da Pietralcina-Epistolario I”, Lettera N°123, Pietrelcina 7 aprile 1913, pp.350-352, ed "Padre Pio da Pietrelcina", 2002. (http://www.gris-imola.it/esoterismo/PadrePiomassoneria.php).

VI.

Não é raro deparar-se com um maçom que, diante do mal juízo sobre a sua seita, diz ser ele fruto da "ignorância" ou expressão da "falta de conhecimento". Ora, se de fato é assim, então conceda ao "iniciado" a oportunidade de lançar luz sobre as suas trevas e livrá-lo da peste do erro: mostre-se disposto a aprender e vamos ver se ele está mesmo disposto a ensinar - peça-lhe que conte publicamente tudo, tudo, tudo o que se passa dentro da Maçonaria.

VII.

Eis um caso que ilustra como a Maçonaria é inoculada na Igreja. Com a colaboração de autoridades eclesiásticas, os princípios da seita - como o dogma do relativismo - acabam por contaminar e enfraquecer a fé católica, transformando-a em mero serviço social ou política de paz. 

Assista ao vídeo abaixo. 


Em um canal do Grande Oriente de Santa Catarina no Youtube (GOSCTV) - canal maçônico, a apresentadora de um programa anuncia uma reportagem sobre a "união inédita" entre a Igreja e a Maçonaria. União intermediada por Dadeus Grings - Bispo - considerado "uma das principais autoridades da Igreja Católica no Brasil". 

"Durante décadas a Igreja Católica e a Maçonaria estiveram afastadas". Contudo, José Firmino - grão-mestre do Rio Grande do Sul - afirma que "as instituições estão retomando as relações". 

Ora, tudo isso é falso! A Congregação para a Doutrina da Fé estabeleceu claramente: Permanece portanto IMUTÁVEL O PARECER NEGATIVO DA IGREJA A RESPEITO DAS ASSOCIAÇÕES MAÇÔNICAS, pois OS SEUS PRINCÍPIOS FORAM SEMPRE CONSIDERADOS INCONCILIÁVEIS COM A DOUTRINA DA IGREJA e por isso PERMANECE PROIBIDA A INSCRIÇÃO NELAS. Os FIÉIS QUE PERTENCEM ÀS ASSOCIAÇÕES MAÇÓNICAS ESTÃO EM ESTADO DE PECADO GRAVE e NÃO PODEM APROXIMAR-SE DA SAGRADA COMUNHÃO" [2].

E mais. "Não compete às autoridades eclesiásticas locais pronunciarem-se sobre a natureza das associações maçónicas com um juízo que implique derrogação de quanto foi acima estabelecido" [3]. Portanto, Dadeus Grings, ao contrário do que declara a reportagem do canal maçônico, não tem "autoridade" para se pronunciar sobre a Maçonaria, muito menos intermediar ligações entre a seita e a Igreja Católica - mesmo que seja Bispo. Se o faz, ou age em estado de ignorância ou, - conhecendo a Declaração do Santo Ofício - age de má-fé.

VIII.

É comum ouvir a alegação de que a Maçonaria não é uma entidade "secreta", mas sim "discreta". Ora, o que poderia conferir à seita o caráter de organização "discreta" seria o fato de se conhecer a localização de algumas lojas e templos, a identidade de um ou outro "iniciado" e certas "atividades" que são públicas ou divulgadas pela internet. No entanto, o que se passa essencialmente dentro da Maçonaria permanece em "segredo". Por exemplo, os rituais de iniciação, os tais "mistérios" e o tipo de "conhecimento" que distingue os graus maçônicos, os programas de ação e de autopromoção da "irmandade" no domínio social, político e cultural. Ademais. É próprio da Maçonaria estabelecer lojas encobertas e camufladas, que são conhecidas apenas pelos maçons de graus superiores. Portanto, o termo "discreto" não é adequado. A Maçonaria em última instância é uma organização secreta.

IX. 

Conheça a história de Maximiliano Maria Kolbe (1894-1941). O santo polonês que fundou a "Milícia da Imaculada" para combater a Maçonaria. 
"Quando os MAÇONS começaram a se agitar cada vez mais, QUANDO ERGUERAM SOB A JANELA DO VATICANO SEU ESTANDARTE NO QUAL, SOB O FUNDO NEGRO, LÚCIFER ESMAGAVA DEBAIXO DE SEUS PÉS O ARCANJO MIGUEL, QUANDO SE PUSERAM A DISTRIBUIR MANIFESTOS CONTRA O SANTO PADRE, SURGIU CLARA A IDÉIA DE FUNDAR UMA ASSOCIAÇÃO QUE TIVESSE A FINALIDADE DE LUTAR CONTRA OS MAÇONS E OUTROS PARTIDÁRIOS DE LÚCIFER" (WINOWSKA, Maria. "Maximiliano Kolbe": Um mártir de Auschwitz. Edições Paulinas: São Paulo, 1983. p. 43).
Assista ao vídeo.


"São Maximiliano Maria Kolbe". 
Documentário (Espanhol) - Servant Brother Films. 2014.


REFERÊNCIAS.

[1]. Cf. [a]. França: PONCINS, 1937, pp-38-41, "A Maçonaria e o Terror"; [b]. México: "Cristiada" [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/04/cristiada.html]. 

[2]. Cf. Congregação para a Doutrina da Fé, "Declaração sobre a Maçonaria" [http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19831126_declaration-masonic_po.html].

[3]. Cf. Idem.