Sunday, July 27, 2014

Papa Francisco: mafiosos - como da N'dranghetta - estão EXCOMUNGADOS. Bom, se é assim, os PETISTAS também estão.

Bruno Braga.
Nota publicada no Facebook em 25 de Julho de 2014.

 

 

No dia 19 de Julho, em visita à Calábria, o Papa Francisco presidiu uma Missa em Sibari. Em uma região marcada pela presença da mafia N'dranghetta, o Pontífice asseverou:
 
[...] "Quando a adoração do Senhor é substituída pela adoração do dinheiro, abre-se o caminho ao pecado, ao interesse pessoal e à prepotência; quando não adoramos Deus, o Senhor, tornamo-nos adoradores do mal, como o fazem quantos vivem de malfeitoria e de violência. A vossa terra, tão bonita, conhece as marcas e as consequências deste pecado. A 'NDRANGHETA [MÁFIA CALABRESA] É ISTO: ADORAÇÃO DO MAL E DESPREZO DO BEM COMUM. ESTE MAL DEVE SER COMBATIDO, AFASTADO! É necessário dizer-lhe não! [...] Aqueles que na sua vida percorrem este caminho do mal, como são os mafiosos, não estão em comunhão com Deus: ESTÃO EXCOMUNGADOS!" [...] (Os destaques são meus. O texto integral da homilia está disponível no site oficial do Vaticano: [http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/homilies/2014/documents/papa-francesco_20140621_cassano-omelia.html]).

Há alguns meses, o jornalista Vitor Vieira revelou as ligações do PT com a N'dranghetta para o financiamento do tráfico internacional de cocaína. Um furo de reportagem que DOCUMENTA desvio de recursos públicos, inclusive da Petrobrás e do Ministério da Saúde (Cf. (1) [http://poncheverde.blogspot.com.br/2014/05/oficialmente-comprovado-dinheiro.html]; (2) [http://poncheverde.blogspot.com.br/2014/05/doleira-brasileira-presa-na-espanha.html]).

Muito bem. Eis ai mais uma causa para a EXCOMUNHÃO dos PETISTAS e de seus aliados. Pelas palavras do Papa Francisco, por participação em uma nefasta atividade criminosa. A outra está na natureza do projeto de poder no qual essa atividade está inserida: 

I. Congregação do Santo Ofício, 1949. (1) "É permitido aderir ao partido comunista ou favorecê-lo de alguma maneira? Não. O comunismo é de fato materialista e anticristão; embora declarem às vezes em palavras que não atacam a religião, os comunistas demonstram de fato, quer pela doutrina, quer pelas ações, que são hostis a Deus, à verdadeira religião e à Igreja de Cristo [...] (4) Fiéis cristãos que professam a doutrina materialista e anticristã do comunismo, e sobretudo os que as defendem e propagam, incorrem pelo próprio fato, como apóstatas da fé católica, na excomunhão reservada de modo especial à Sé Apostólica? Sim. - II. Congregação do Santo Ofício, 1959. "É permitido aos cidadãos católicos, ao elegerem os representantes do povo, darem seu voto a partidos ou a candidatos que, mesmo se não proclamam princípios contrários à doutrina católica e até reivindicam o nome de cristãos, apesar disto se unem de fato aos comunistas e os apoiam por sua ação? Não, segundo a diretiva do Decreto do Santo Ofício de 1o. de Julho de 1949, n.1 [3865]" (Cf. [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/05/um-alerta-aos-catolicos.html]).

Thursday, July 24, 2014

O porta-voz comunista da reforma política celebrada por padres.

Bruno Braga.


 
 
 
Aldo Arantes é um dos porta-vozes da proposta de reforma política apresentada pela "Coalizão pela Reforma Política Democrática" - proposta subscrita pela CNBB e para a qual estão militando vários padres em suas paróquias [1].
 
Dado como representante da OAB pela "Coalizão", Aldo Arantes é um dos mais célebres COMUNISTAS do país. Ele foi presidente da UNE entre 1961 e 1962. Em 1963, foi um dos fundadores da Ação Popular (AP). Organização terrorista que surge do plano ardiloso de assaltar a Igreja Católica - o objetivo era instrumentalizá-la e, com isso, favorecer o projeto revolucionário. Entre as ações promovidas pela AP está o atentado a bomba no Aeroporto de Guararapes, em 1966 [3].
 
No Uruguai, em 1965, Aldo Arantes participa da unificação de grupos terroristas orientada por Leonel Brizola. A Frente Popular de Libertação (FPL), que adotou os "atos de guerra", "atos de sabotagem urbana" e "focos de guerrilha" como estratégias para a tomada do poder (USTRA, 2012, p. 145).
 
Em 1971 a AP se torna APML do B, Ação Popular Marxista-Leninista do Brasil, para ser incorporada posteriormente ao PCdoB. Pelo Partido Comunista do Brasil, Aldo Arantes exerceu vários cargos políticos.
 
Do passado às atuais atividades de Aldo Arantes, em abril de 2014 ele concedeu uma entrevista na qual trata sobre tema da proposta de reforma política. Fala como "representante da OAB" e em nome da "Coalizão pela Reforma Política Democrática" [3]. A foto que registra essa entrevista - em seu pano de fundo - denuncia: as ambições e o projeto de poder de Aldo Arantes não mudaram. Uma bandeira do Brasil cortada pela bandeira do PCdoB (Partido Comunista do Brasil); e uma imagem de Che Guevara, o psicopata que fuzilava, inclusive católicos, e se vangloriava: "Não sou Cristo nem filantropo. Sou totalmente o contrário de um Cristo" [...] "Um revolucionário deve se tornar uma fria máquina de matar movida apenas pelo ódio".
 
 
 
Enfim, a proposta de reforma política apresentada pela "Coalizão pela Reforma Política Democrática" - examinada em seu conteúdo - maquia a promoção do projeto de poder totalitário SOCIALISTA-COMUNISTA [4]. Tem em Aldo Arantes - e em vários grupos e organizações que a subscrevem - um autêntico representante. Nestes termos, para os padres que celebram essa proposta de reforma política - e para os fiéis que aderem a ela de maneira ingênua e entusiasmada - a Igreja Católica tem uma orientação clara e objetiva:
 
I. Congregação do Santo Ofício, 1949. (1) "É permitido aderir ao partido comunista ou favorecê-lo de alguma maneira? Não. O comunismo é de fato materialista e anticristão; embora declarem às vezes em palavras que não atacam a religião, os comunistas demonstram de fato, quer pela doutrina, quer pelas ações, que são hostis a Deus, à verdadeira religião e à Igreja de Cristo [...] (4) Fiéis cristãos que professam a doutrina materialista e anticristã do comunismo, e sobretudo os que as defendem e propagam, incorrem pelo próprio fato, como apóstatas da fé católica, na excomunhão reservada de modo especial à Sé Apostólica? Sim. - II. Congregação do Santo Ofício, 1959. "É permitido aos cidadãos católicos, ao elegerem os representantes do povo, darem seu voto a partidos ou a candidatos que, mesmo se não proclamam princípios contrários à doutrina católica e até reivindicam o nome de cristãos, apesar disto se unem de fato aos comunistas e os apoiam por sua ação? Não, segundo a diretiva do Decreto do Santo Ofício de 1o. de Julho de 1949, n.1 [3865]" (Cf. [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/05/um-alerta-aos-catolicos.html]).

 
 
NOTAS.
 
[1]. BRAGA, Bruno. "Padres pregam proposta de reforma política. Fiéis, não assinem!" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/07/padres-pregam-proposta-de-reforma.html].
 
[2]. BRAGA, Bruno. "O bem-aventurado Alípio" [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/11/o-bem-aventurado-alipio.html].
 

[4]. Cf. Nota [1].


Tuesday, July 22, 2014

NOTA DE ESCLARECIMENTO.

 

Euder Canuto - padre da paróquia de Nossa Senhora da Piedade, em Barbacena-MG - se propôs a promover publicamente a proposta de reforma política apresentada pela "Coalizão pela Reforma Política Democrática". Com isso, assumiu todas as responsabilidades do seu engajamento. Como o padre Euder Canuto faz parte da minha lista de amigos do Facebook, tomei a iniciativa de alertá-lo sobre a proposta de reforma política, sugerindo a leitura do artigo no qual eu aponto o perigo que ela - a proposta - esconde: "Padres pregam proposta de reforma política. Fiéis, não assinem!" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/07/padres-pregam-proposta-de-reforma.html]. Não obtive resposta, e, surpreendentemente, o meu comentário desapareceu. Republiquei o alerta no mesmo espaço, mas, em seguida, fiquei sem acesso ao perfil do padre.

Considerando somente a hipótese do melhor juízo, o caso específico apresenta no mínimo - com a supressão do comentário, com o bloqueio do perfil - um problema de ordem intelectual. Não é permitido estabelecer objeções à proposta de reforma política propagandeada - dita "democrática"; e aos fiéis alcançados pela publicidade - para que possam decidir sobre o seu apoio - é dado conhecer apenas os elogios à proposta, mas não as críticas feitas a ela.
 
A imagem abaixo é apenas uma forma de documentar o episódio.

Bruno Braga.
 
 


Saturday, July 19, 2014

O PT, Lula, o Foro de São Paulo e a Internacional Socialista.

Bruno Braga.
Nota publicada no Facebook em 18 de Julho de 2014.
 
 
 
O PT não é membro da Internacional Socialista. No entanto, eis aqui Luiz Inácio - enquanto Presidente da República, sim, Presidente da República - proferindo o discurso de abertura do XXII Congresso da Internacional Socialista, realizado em São Paulo entre os dias 27 e 29 de Outubro de 2003 (Cf. foto).
 
 
Os trechos destacados de seu pronunciamento são mais uma amostra - entre tantas outras - de que o seu partido e os governos administrados por ele integram - com a dimensão do Foro de São Paulo - um abrangente projeto de poder SOCIALISTA-COMUNISTA.
[...]
 
"Como PRESIDENTE DE UM PAÍS hoje governado por uma coligação de partido de esquerda e de centro mas, também, como PRESIDENTE DE HONRA DE MEU PARTIDO, o PARTIDO DOS TRABALHADORES, só posso dizer-lhes: sintam-se como se estivessem em suas próprias casas.
 
O Partido dos Trabalhadores, embora não integre a Internacional Socialista, manteve e mantém com a Internacional uma relação fraternal. PARTICIPOU, nesses vinte últimos anos, em inúmeros de seus congressos e reuniões e COMPARTILHOU muitas de suas iniciativas, em âmbito REGIONAL e MUNDIAL.
 
Vários partidos, que conosco integram o FÓRUM DE SÃO PAULO ("FORO DE SÃO PAULO") na América Latina, fazem parte da Internacional, da mesma forma que partidos da Europa, com os quais mantemos relações muito estreitas. Nos 23 anos de existência do Partido dos Trabalhadores, mantivemos um fértil diálogo com organizações e personalidades da Internacional".
 
[...]
 
"Tenho dito e repetido que minha eleição para presidente, que hoje completa um ano, não é a vitória de um homem mas a culminação de UM MOVIMENTO que DEVE, agora, REALIZAR, NO GOVERNO, TUDO AQUILO PELO QUAL LUTOU DURANTE TANTOS ANOS".
 
[...]
 
"Meus companheiros e minhas companheiras, delegados deste congresso. Há um ano atrás, neste mesmo horário, estávamos apreensivos mas estávamos certos de que a nossa vitória eleitoral seria inevitável. E seria inevitável porque como disse agora a pouco, a minha vitória não foi a vitória de um presidente da República, de um cidadão brasileiro. A minha vitória foi a CUMULAÇÃO de um MOVIMENTO de massa que soube juntar, durante mais de 30 anos, o que existia de mais organizado na sociedade brasileira, nos SINDICATOS, nas IGREJAS, nos MOVIMENTOS POPULARES, nas ONGS".
 
[...]
 
"Foi graças à teimosia de companheiros como o companheiro Marco Aurélia Garcia e outros companheiros, que acreditaram e CRIARAM o Fórum de São Paulo ("FORO DE SÃO PAULO"), onde pela primeira vez, colocamos a esquerda da América Latina - que nem conversava entre si, dentro dos seus países - para sentarem, para começarem a aprender o básico da democracia que é a convivência na diversidade".
 
[...]
 
"Vamos fazer de tudo para que em TODOS os fóruns que a Internacional participe, possa ter o NOSSO QUERIDO BRASIL e o NOSSO GOVERNO como REFERÊNCIA de uma boa prática política nos nossos dias.
 
Muito obrigado e bom congresso para todos vocês".

NOTA. Íntegra do discurso disponível na página oficial da Internacional Socialista: [http://www.internacionalsocialista.org/viewArticle.cfm?ArticlePageID=925].


ARTIGO RECOMENDADO.

BRAGA, Bruno. "A hegemonia SOCIALISTA-COMUNISTA: o pacto entre o Foro de São Paulo e o Diálogo Interamericano" - Anexo I, "PSDB lamenta exclusão da INTERNACIONAL SOCIALISTA" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/05/a-hegemonia-socialista-comunista-o.html].


Wednesday, July 16, 2014

Padres pregam proposta de reforma política. Fiéis, não assinem!

Bruno Braga.




 
Quando padres passam a utilizar o altar para promover uma proposta de reforma política, o mínimo que se deve fazer é investigar para onde eles, com a ousada iniciativa, estão conduzindo o seu rebanho. Não, não é pecado. A investigação é um dever irrenunciável principalmente quando a proposta na qual estão engajados - a que é apresentada por uma "Coalizão pela Reforma Política Democrática" [1] - aparece subscrita, não só pela CNBB [2], mas por grupos e organizações como MST, CUT, UNE, CTB, UBM, CONTAG, entre outras [3] - que empunham bandeiras completamente contrárias aos princípios da Igreja Católica. Abortismo, ideologia de gênero, legalização das drogas, luta de classes, etc.
 
O objetivo aqui não é examinar a proposta de reforma política nos termos do financiamento público das campanhas eleitorais, do sistema de listas para a escolha dos candidatos ou nos da exigência de maior participação das mulheres nas eleições. São pontos sim relevantes, e absolutamente questionáveis. Porém, há um elemento especial na proposta abraçada pelos padres - não por todos - que esconde ardilosamente o que de fato está em jogo: um ambicioso projeto de concentração de poder que cada vez mais toma de assalto o país.

"Sociedade civil". Essa expressão aparece em pontos nucleares da proposta apresentada pela "Coalizão pela Reforma Política Democrática". Por exemplo, o artigo 8A estabelece o seguinte: "As campanhas dos plebiscitos e referendos terão a participação na sua criação, coordenação e execução de organizações da SOCIEDADE CIVIL, juntamente com partidos políticos e frentes parlamentares" - Parág. único: "Será assegurada a igualdade entre as organizações da SOCIEDADE CIVIL em relação aos partidos políticos e frentes parlamentares participantes na CRIAÇÃO, COORDENAÇÃO e EXECUÇÃO das campanhas referidas no caput" (p. 18).

Assim, a "sociedade civil" é inserida na elaboração e na condução de plebiscitos e referendos, instrumentos que serão utilizados para decidir "questões de grande relevância nacional" (Cf. art. 3A e 3B, p. 18). Acontece que ela - a "sociedade civil" - não é representada concretamente pelo cidadão comum, mas sim por líderes, organizações e "movimentos sociais" controlados ou associados, patrocinados por agentes e grupos políticos. Grupos ligados principalmente ao PT e aos que com ele trabalham em consórcio para promover o SOCIALISMO-COMUNISMO no Brasil - grupos que subscrevem a proposta de reforma política apresentada pela "Coalizão pela Reforma Política Democrática" [4].

O que parece fortalecer o poder discricionário da população em geral, na verdade, promove grupos que estão integrados a um projeto de poder totalitário. Eles decidirão o que é uma "questão de grande relevância nacional" e condicionarão subrepticiamente as escolhas e decisões das pessoas, pois participarão da elaboração, promoção e execução de plebiscitos e referendos. Pior. Esses mesmos grupos irão adquirir o mesmo status dos representantes escolhidos pelo voto, estes sim escolhidos pela população (Cf. art. 8A, parág. único).

Enfim, não é possível estabelecer o grau de inocência, de ignorância - ou de má-fé - dos padres que propagandeiam no altar a proposta de reforma política apresentada pela "Coalizão pela Reforma Política Democrática". Certo é que, com essa iniciativa, eles estão conduzindo o seu rebanho, induzindo os fiéis a consolidarem um projeto de poder que foi erguido às custas de um assalto à Igreja Católica, instrumentalizada sobretudo por um simulacro de teologia forjado para favorecê-lo - a Teologia da Libertação. Portanto, sacerdotes e fiéis que não desejam contribuir com isso, não apoiem - não assinem! - essa proposta de "reforma política".



NOTAS.


[1]. "Coalizão pela Reforma Política Democrática e Eleições Limpas" [http://www.reformapoliticademocratica.org.br/].

[2]. Os católicos precisam aprender de uma vez por todas: a CNBB não pertence à hierarquia da Igreja Católica, e, por isso, não tem autoridade para falar em nome dela.

[3]. Idem - "Quem somos" [http://www.reformapoliticademocratica.org.br/?page_id=543] e Cartilha "Coalizão pela Reforma Política Democrática e Eleições Limpas", p. 43 [http://www.reformapoliticademocratica.org.br/wp-content/uploads/2014/04/cartilha.pdf].

[4]. A propósito, o leitor interessado pode comparar a proposta de reforma política apresentada pela "Coalização para a Reforma Política Democrática" com a do PT - elas são praticamente idênticas.
 

Sunday, July 13, 2014

MTST - as invasões urbanas como estratégia revolucionária.

Bruno Braga.


 
I.

 
Estampado no jornal para os incautos e "idiotas úteis" compreenderem de uma vez por todas. As invasões promovidas pelos sem teto - o caos disseminado por eles sobretudo nas grandes cidades - têm um objetivo político: acumular forças para realizar a revolução SOCIALISTA-COMUNISTA. É o que diz o próprio líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) - que é um "burguês" da "classe média" - Guilherme Boulos. Leia: Estadão, 06 de Julho de 2014 [http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,a-invasao-urbana-como-pratica-politica-imp-,1524328].


Nota publicada no Facebook em 09 de Julho de 2014.

 
II.
 
 

 
Fica mais fácil quando a Presidente da República tem o mesmo projeto de poder. Em maio deste ano, Dilma Wanda se encontrou com Guilherme Boulos (Cf. foto). Com o líder do MTST, que recentemente declarou em entrevista para o Estadão: as invasões promovidas pelos sem-teto e o caos disseminado por eles fazem parte de uma estratégia política, acumular forças para pavimentar a revolução SOCIALISTA-COMUNISTA. Nesse encontro, a Presidente recebeu uma pauta de reivindicações do MTST antes de participar da cerimônia de inauguração do Itaquerão. Próximo ao estádio, os sem-teto mantinham uma "ocupação", uma invasão chamada "Copa do Povo".

Nota publicada no Facebook em 10 de Julho de 2014.

 
ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. "Dilma: uma 'singela' foto para MLB" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/04/dilma-uma-singela-foto-para-o-mlb.html];
______. "MLB - PCR. O projeto de poder SOCIALISTA-COMUNISTA" [http://b-braga.blogspot.com.br/2014/04/mlb-pcr-o-projeto-de-poder-socialista.html].