Monday, September 30, 2013

"Quem é Pablo Capilé" ("O Ninja do PT").



A reportagem da revista Veja com o título acima não é nova. Mas, a reprodução dela aqui, em itálico, tem um propósito específico: elucidar uma nota publicada anteriormente sobre o grupo “Fora do Eixo”: “A exposição pública da Casa Fora do Eixo Minas (com atividades em Barbacena-MG)” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/08/a-exposicao-publica-da-casa-fora-do.html].    

***
Pablo Santiago Capilé Mendes, de 34 anos, vive em dois mundos. No circuito Fora do Eixo (FdE), nome da comunidade que fundou e da qual é líder com status de guru, ele diz ser politicamente apartidário e defende a independência financeira do grupo a ponto de, dentro dele, fazer circular um dinheiro de mentirinha, o card. A “moeda” serve para “remunerar” o trabalho de cerca de centenas de jovens que moram nas 25 casas do FdE, espécie de repúblicas de muros grafitados onde tudo é de todo mundo -- incluindo as roupas, guardadas em um armário único e à disposição do primeiro que chegar.
Já no outro mundo em que vive, Capilé é um “companheiro”, como se referiu a ele o presidente do PT, Rui Falcão, e o dinheiro com que lida não só é de verdade como vem, em boa parte, dos cofres públicos.
O mais recente empreendimento do Fora do Eixo, por exemplo -- uma casa inaugurada em Brasília no mês de junho para hospedar convidados estrangeiros e a cúpula da organização --, foi montado com dinheiro da Fundação Banco do Brasil. A título de convênio, a fundação repassou à turma de Capilé 204.000 reais destinados, segundo sua assessoria, a “estruturação do local, salários de educadores e implementação de uma estação digital”. O Fora do Eixo tem outras duas dezenas de casas espalhadas pelo Brasil em lugares como Fortaleza, Porto Alegre e Belém do Pará. Não tão chiques nem tão bem aparelhadas quanto a de Brasília, elas abrigam, no mesmo esquema da casa de São Paulo, jovens que trabalham voluntariamente para a organização.
Parte deles atua no Mídia Ninja, grupo que ficou conhecido por fotografar, filmar e transmitir pela internet em tempo real os protestos de rua de junho. Outra parcela, bem maior, trabalha na organização e na divulgação de atividades culturais, como os festivais de música -- o negócio mais forte do Fora do Eixo, e o caminho mais curto para o dinheiro público. Para chegar até ele, Capilé conhece bem os atalhos.

Fonte. Veja [http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/o-ninja-do-pt]. A reportagem completa pode ser lida na edição impressa da revista (2334 – ano 46 – n. 33).



Anexos.


I.



Trecho do bate-papo entre o filósofo Olavo de Carvalho e Lobão. Aqui eles conversam sobre o Fora do Eixo e a atuação de seu líder e representante, Pablo Capilé – o esforço do grupo para acabar com os Direitos Autorais e a relação íntima com o PT, confessada pelo próprio presidente do partido, Rui Falcão.


II.




Lobão irá gravar a “homenagem” que fez a Pablo Capilé e ao “Fora do Eixo”. O cantor – que já executa a música em seus shows – fará o registro de “Eu não vou deixar” (Cf. Vídeo). Composição na qual contesta e denuncia o “coletivo” capitaneado por Capilé, que são alvos de inúmeras acusações - farra com o dinheiro público; instrumento de grupos e partidos revolucionários, sobretudo do PT; promoção do crime propriamente dito.
[...]. 

“Mané querendo mudar o mundo
Engenheiro social
Tungando a grana de artista
Inventando edital
Direito autoral ele também não quer,
Mas eu não vou deixar

Patrulha e desespero,
Evangelho coletivo
Doutrina de carola estatizado e vendido
Rebelde chapa-branca quer que eu cale
Mas eu não vou deixar

De bem intencionados
Eu não aguento mais
Tem otário se achando valente
Mas quando me vê, mija pra trás

Acabou sua pilantragem, sabe por quê?
Porque eu não vou deixar”.



Saturday, September 28, 2013

A invasão SOCIALISTA-COMUNISTA-PETISTA da Igreja Católica - II.

Bruno Braga.





Frei Gilvander Luís Moreira – na foto - promove uma espécie de “celebração” em um acampamento do MST montado em Pirapora, norte de Minas Gerais. Porém, no lugar das vestes de um autêntico religioso, ele sustenta os paramentos de um sacerdote da revolução. Em vez de carregar a cruz, ele veste um boné da guerrilha rural comunista. O sermão proferido é mais uma falsificação do texto bíblico produzida através da hermenêutica da Teologia da Libertação.

Gilvander não é frei coisíssima nenhuma. É um “missionário” da revolução, conhecido por suas “peregrinações” em Minas Gerais. É um agente político que instrumentaliza a fé católica em favor de um projeto de poder: o SOCIALISMO-COMUNISMO latino-americano fomentado pelo Foro de São Paulo – o MST é o seu braço no campo; e o PT o seu representante mais emblemático no plano político.    


ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. “A invasão SOCIALISTA-COMUNISTA-PETISTA da Igreja Católica” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/09/a-invasao-socialista-comunista-petista.html].

PACEPA, Ion Mihai. “A Cruzada religiosa do Kremlin” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/04/a-cruzada-religiosa-do-kremlin.html]. A “história não contada” da Teologia da Libertação.


NOTA.

I. Congregação do Santo Ofício, 1949. (1) “É permitido aderir ao partido comunista ou favorecê-lo de alguma maneira? Não. O comunismo é de fato materialista e anticristão; embora declarem às vezes em palavras que não atacam a religião, os comunistas demonstram de fato, quer pela doutrina, quer pelas ações, que são hostis a Deus, à verdadeira religião e à Igreja de Cristo [...] (4) Fiéis cristãos que professam a doutrina materialista e anticristã do comunismo, e sobretudo os que as defendem e propagam, incorrem pelo próprio fato, como apóstatas da fé católica, na excomunhão reservada de modo especial à Sé Apostólica? Sim.”

II. Congregação do Santo Ofício, 1959. “É permitido aos cidadãos católicos, ao elegerem os representantes do povo, darem seu voto a partidos ou a candidatos que, mesmo se não proclamam princípios contrários à doutrina católica e até reivindicam o nome de cristãos, apesar disto se unem de fato aos comunistas e os apoiam por sua ação? Não, segundo a diretiva do Decreto do Santo Ofício de 1o. de Julho de 1949, n.1 [3865]”.

Cf. BRAGA, Bruno. “Um alerta aos católicos” [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/05/um-alerta-aos-catolicos.html].


O STF não é o limite - NOTAS.

Bruno Braga.


I.



Um episódio curioso na carreira de Celso de Mello. O ministro que se autoglorificou com os princípios da “Impessoalidade” e da “Imparcialidade” da Magistratura; que reivindicou a imunidade da corte contra a “paixão irracional” da população brasileira, que exigia simplesmente o cumprimento da sentença que condenou os mensaleiros - e que cedeu a última instância institucional ao movimento revolucionário SOCIALISTA-COMUNISTA projetado pelo Foro de São Paulo. Saulo Ramos – o falecido Ministro da Justiça do governo Sarney – conta:

"Na minha vida, conheci juízes formidáveis, dos quais guardo lembranças entusiastas e profundo respeito. Mas sofri também grandes desilusões. Algumas lamentáveis. Vou contar uma delas. Terminado seu mandato na Presidência da República, Sarney resolveu candidatar-se a Senador. O PMDB negou-lhe a legenda no Maranhão. Candidatou-se pelo Amapá. Houve impugnações fundadas em questão do domicílio e o caso acabou no Supremo Tribunal Federal. Naquele momento, não sei por que, a Suprema Corte estava em meio recesso, e o Ministro Celso de Mello, meu ex-secretário na Consultoria Geral da República, me telefonou: 

- O processo do Presidente será distribuído amanhã. Em Brasília, somente estão por aqui dois ministros: o Marco Aurélio Mello e eu. Tenho receio de que caia com ele, primo do Presidente Collor. Não sei como vai considerar a questão.
- O Presidente tem muita fé em Deus. Tudo vai sair bem, mesmo porque a tese jurídica da defesa do Sarney está absolutamente correta.

Celso de Mello concordou plenamente com a observação, acrescentando ser indiscutível a matéria de fato, isto é, a transferência do domicílio eleitoral no prazo da lei. O advogado de Sarney era o Dr. José Guilherme Vilela, ótimo profissional. Fez excelente trabalho e demonstrou a simplicidade da questão: Sarney havia transferido seu domicílio eleitoral no prazo da lei. Simples. O que há para discutir? É público e notório que ele é do Maranhão! Ora, também era público e notório que ele morava em Brasília, onde exercera o cargo de Senador e, nos últimos cinco anos, o de Presidente da República. Desde a faculdade de Direito, a gente aprende que não se pode confundir o domicílio civil com o domicílio eleitoral. E a Constituição de 88, ainda grande desconhecida (como até hoje), não estabelecia nenhum prazo para mudança de domicílio. O sistema de sorteio do Supremo fez o processo cair com o Ministro Marco Aurélio, que, no mesmo dia, concedeu medida liminar, mantendo a candidatura de Sarney pelo Amapá.

Veio o dia do julgamento do mérito pelo plenário. Sarney ganhou, mas o último a votar foi o Ministro Celso de Mello, que votou pela cassação da candidatura do Sarney. Deus do céu! O que deu no garoto? Estava preocupado com a distribuição do processo para a apreciação da liminar, afirmando que a concederia em favor da tese de Sarney, e, agora, no mérito, vota contra e fica vencido no plenário. O que aconteceu? Não teve sequer a gentileza, ou habilidade, de dar-se por impedido. Votou contra o Presidente que o nomeara, depois de ter demonstrado grande preocupação com a hipótese de Marco Aurélio ser o relator.

Apressou-se ele próprio a me telefonar, explicando:
- Doutor Saulo, o senhor deve ter estranhado o meu voto no caso do Presidente.
- Claro! O que deu em você?
- É que a Folha de São Paulo, na véspera da votação, noticiou a afirmação de que o Presidente Sarney tinha os votos certos dos ministros que enumerou e citou meu nome como um deles. Quando chegou a minha vez de votar, o Presidente já estava vitorioso pelo número de votos a seu favor. Não precisava mais do meu. Votei contra para desmentir a Folha de São Paulo. Mas fique tranquilo. Se meu voto fosse decisivo, eu teria votado a favor do Presidente.
Não acreditei no que estava ouvindo. Recusei-me a engolir e perguntei:
- Espere um pouco. Deixe-me ver se compreendi bem. Você votou contra o Sarney porque a Folha de São Paulo noticiou que você votaria a favor?
- Sim.
- E se o Sarney já não houvesse ganhado, quando chegou sua vez de votar, você, nesse caso, votaria a favor dele?
- Exatamente. O senhor entendeu?
- Entendi. Entendi que você é um juiz de merda!

Bati o telefone e nunca mais falei com ele.

Muitos advogados sabiam que Celso de Mello havia sido meu secretário na Consultoria da República e nomeado Ministro do Supremo por empenho meu”.


RAMOS, Saulo. "O Código da Vida. Ed. Planeta, 2007. pp. 168-170.

Nota publicada no Facebook em 22 de Setembro de 2013.


II.


O “novato” afetado e o projeto PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA.

Em 2006, Luiz Inácio – o “Chefe” – foi agraciado por juristas com um manifesto de apoio à sua reeleição. Não. Os ilustres representantes do Direito não faziam ponderações sobre questões legais ou éticas. Não. Eles defendiam um “projeto” para o Brasil. Entre os signatários do manifesto estava Luís Roberto Barroso – o “novato” e afetado ministro do Supremo Tribunal Federal (Cf. FOTO).




Barroso, enquanto advogado, tem em seu currículo processos importantes para o projeto petista-revolucionário: células-tronco; aborto de anencéfalos; união homossexual; e a defesa do terrorista Cesare Battisti. Agora, no STF, terá a oportunidade de reexaminar – por conta do desastroso voto do ministro Celso de Mello – um processo do qual não participou: o do assalto do aparelho de Estado através do mensalão. Barroso julgará José Dirceu, o “chefe da quadrilha” que atuou em favor de sua indicação para a corte. O “novato” já expressou algumas de suas concepções sobre o nefasto episódio. Tentou abrandar o maior escândalo de corrupção do país, afirmando o rigor excessivo do STF ao julgá-lo – rendeu glórias a um dos quadrilheiros, a José Genoíno, o “guerrilheiro de festim”. Nestes termos, aquela assinatura de 2006, hoje, adquire um sentido significativo. Luís Roberto Barroso já não defende mais um “projeto para o Brasil”, ele é um de seus agentes construtores: o projeto PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA estabelecido pelo Foro de São Paulo.


Nota publicada no Facebook em 24 de Setembro de 2013.


ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. “O STF não é o limite” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/09/o-stf-nao-e-o-limite.html].
______. “Indicação para o STF e o Gayzismo” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/05/indicacao-para-o-stf-e-o-gayzismo.html].

  

Saturday, September 21, 2013

O STF não é o limite.

Bruno Braga.



O ministro Celso de Mello resolveu a controvérsia que dividiu o Supremo Tribunal Federal. Votou pela possibilidade dos embargos infringentes como recurso para os sentenciados no processo do mensalão. A expectativa, então, de ver os “marginais do poder” – na acusação do próprio ministro - cumprindo as penas pelos crimes que foram condenados acabou praticamente frustrada.

O anúncio da decisão – enormemente aguardada – foi preparado por uma longa preliminar. Nela, Celso de Mello observou que os ministros do STF não podem votar para atender à “pressão das massas”, pois estariam sob o risco de se orientarem por “paixões irracionais” que comprometeriam um julgamento justo.

Esta alegação – que foi tão enfatizada – surgiu, contudo, de uma intervenção paralela e descabida do ministro Luis Roberto Barroso na sessão anterior. Celso de Mello abraçou – e supervalorizou – a tese levantada pelo “novato”. Não cogitou sequer sobre a legitimidade da reivindicação da população brasileira - relegada a “paixões irracionais” - e sugeriu a possibilidade de que os votos divergentes eram uma forma de satisfazer sentimentos e desejos obscuros.  

Sim, é verdade, a maioria das pessoas exigia a punição dos mensaleiros – inclusive o cidadão que foi levado pelo entusiasmo a participar de manifestações públicas. No entanto, não consta a exigência de que para os acusados fossem aplicadas as leis das ruas, das gangues - ou do crime organizado, com o qual o “núcleo político” do mensalão mantém relações íntimas. O cidadão brasileiro não exigiu para os mensaleiros os “justiçamentos” utilizados pelos grupos terroristas – até para matar seus próprios companheiros - nos quais alguns réus construíram suas carreiras. Não. Ninguém reclamou a justiça cubana – ou o “paredón” – do regime ditatorial imposto pelo “Comandante” genocida Castro – onde o “chefe da quadrilha” dos mensaleiros recebeu treinamento guerrilheiro.

Nada disso. Exigia-se apenas o cumprimento da lei e a execução da sentença proferida pelo próprio Supremo Tribunal Federal. Os mensaleiros foram condenados tendo amplo e irrestrito direito de defesa. Caso negasse a eles a possibilidade de interpor os embargos infringentes, Celso de Mello não feriria nenhuma garantia constitucional dos réus. Não mancharia em nada o processo. A fundamentação TÉCNICA estava consolidada – sobretudo pelo ministro Gilmar Mendes e pela ministra Carmen Lúcia. Cabe observar, uma fundamentação dada sem qualquer apelo ao “clamor público” ou a “paixões irracionais”. O amparo legal estava à disposição para cumprir o que deveria ser feito: simplesmente punir os culpados.

No entanto, Celso de Mello optou por outro caminho. Proclamou PRINCÍPIOS jurídicos. Que são importantes, sim. Eles fornecem um senso de orientação. Mas, o apego a eles pode impedir o reconhecimento das janelas abertas na própria realidade efetiva - que serão exploradas pelos interessados para escapar do princípio fundamental: a justiça. Enquanto Celso de Mello proclamava a “Impessoalidade” e a “Imparcialidade”, o PT manejava todas as armas para comprometer o julgamento. Jogou inclusive com a nomeação de ministros, colocados na corte para compor um “novo” Supremo Tribunal Federal – e então reexaminar o que o próprio Celso de Mello condenou como “um dos episódios mais vergonhosos da história política de nosso país”.

A propósito, se Celso de Mello é um ser tão elevado e sublime, despido de toda e qualquer paixão ou sentimento humano, então está impedido de exercer o próprio ofício. Não teria condições de avaliar a gravidade dos fatos que julga, e nem de estabelecer uma pena para eles. Pior. A indignação, o tom inflamado, a exaltação com a qual o ministro sentenciou os mensaleiros – definindo-os como “delinquentes” que maquinavam “nos subterrâneos do poder, como conspiradores à sombra do Estado, para, em assim procedendo, vulnerar, transgredir e lesionar a paz pública” – era pura teatralização.

Celso de Mello ainda alegou que a divisão da corte reforçaria o seu voto em favor dos embargos infringentes. Seria um sinal de “dúvida”, “incerteza” e “hesitação”. Portanto, a prudência indicaria a possibilidade de reexaminar os casos previstos. Porém, a alegação – ambígua – parece conter um equívoco no objeto. Porque a controvérsia em questão – a “divisão da corte” – era sobre a admissibilidade TÉCNICA de um recurso, e não quanto ao MÉRITO. Neste, a divergência é mínima. Por exemplo, José Dirceu foi condenado pelo crime de quadrilha por 6 ministros; um não votou, Cezar Peluso – e 4 ministros o absolveram.

Bom, está feito. Celso de Mello fez a sua opção. Escolheu a desmoralização completa da justiça brasileira. Não apenas por frustrar a expectativa da maioria dos brasileiros de ver uma sentença justamente executada e, com isso, reforçar a cultura da impunidade no país. Ele jogou por terra a única reação – ainda que tímida e quase insignificante – contra alguns dos engenheiros de um projeto de concentração de poder com dimensões continentais: o SOCIALISMO-COMUNISMO estabelecido pelo Foro de São Paulo. Projeto que prevê a “democratização” – que significa DOMINAÇÃO – “do poder judiciário”. O ministro cedeu a última instância institucional, porque depois do Supremo Tribunal Federal não há mais nada. Não há mais limite para o movimento revolucionário.     


Thursday, September 19, 2013

A invasão SOCIALISTA-COMUNISTA-PETISTA da Igreja Católica.

Notas.
Bruno Braga.


I.




A Teologia “Socialista-Comunista” da Libertação em prática. Leonardo Boff – o ardiloso teólogo da revolução – acusa a Igreja Católica de deter o “monopólio dos meios de produção do sagrado”. Na foto, Marilena Chauí, sem pudor algum, aparece quebrando o “controle exclusivo” de um sacramento. Ela se autoministra a comunhão, com a conivência e cumplicidade de sacerdotes na Paróquia Nossa Senhora do Carmo, Itaquera-SP. Assim, a “filósofa” – cuja produção intelectual mais elevada é a militância PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA – coloca em prática a Teologia da Libertação. O instrumento utilizado para “consagrar” o seu grupo - o seu partido – em um projeto de concentração de poder, corromper desde dentro e submeter a Igreja Católica a este propósito.  

Fonte da foto: Dom Antônio de Castro Mayer.


Nota publicada no Facebook em 11 de Setembro de 2013.


II.




Este vídeo mostra como a Teologia “Socialista-Comunista” da Libertação – através dos sacerdotes, ou apóstatas, que a professam – transforma um altar de devoção e consagração. Faz dele palco e palanque para a promoção de ideologias e bandeiras anticristãs, inclusive do Gayzismo. E coloca no centro, não Jesus Cristo, mas a “adoração” dos próprios inimigos da Igreja Católica, que sempre estiveram empenhados em instrumentalizá-la com um simulacro de religiosidade para favorecer o ambicioso projeto de poder de um partido: Marilena Chauí, militante PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA travestida de “filósofa”, é idolatrada na Paróquia Nossa Senhora do Carmo, em Itaquera-SP.


Nota publicada no Facebook em 12 de Setembro de 2013.


III.



Invasão SOCIALISTA-COMUNISTA-PETISTA da Igreja Católica. Infelizmente, mais uma amostra da situação deplorável da Igreja Católica no Brasil.

No dia 07 de Setembro, em São Paulo, o “Grito dos excluídos” – promovido pela CNBB, que é ardilosamente utilizada por grupos e partidos revolucionários, com destaque para o PT, para instrumentalizar e perverter a fé católica – recebeu o MST - a guerrilha rural COMUNISTA – em uma celebração eucarística na Catedral da Sé. Um descumprimento obsceno e descarado da orientação da própria Igreja Católica: “(1) É permitido aderir ao partido comunista ou favorecê-lo de alguma maneira? Não. O comunismo é de fato materialista e anticristão; embora declarem às vezes em palavras que não atacam a religião, os comunistas demonstram de fato, quer pela doutrina, quer pelas ações, que são hostis a Deus, à verdadeira religião e à Igreja de Cristo [...] (4) Fiéis cristãos que professam a doutrina materialista e anticristã do comunismo, e sobretudo os que as defendem e propagam, incorrem pelo próprio fato, como apóstatas da fé católica, na excomunhão reservada de modo especial à Sé Apostólica? Sim.” (Congregação do Santo Ofício, 1949) -  “É permitido aos cidadãos católicos, ao elegerem os representantes do povo, darem seu voto a partidos ou a candidatos que, mesmo se não proclamam princípios contrários à doutrina católica e até reivindicam o nome de cristãos, apesar disto se unem de fato aos comunistas e os apoiam por sua ação? Não, segundo a diretiva do Decreto do Santo Ofício de 1o. de Julho de 1949, n.1 [3865]” (Congregação do Santo Ofício, 1959). [Cf. BRAGA, Bruno. “Um alerta aos católicos” [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/05/um-alerta-aos-catolicos.html].



Nota publicada no Facebook em 10 de Setembro de 2013.


IV.


Padre “celebra” a revolução Socialista-Comunista em Congonhas-MG.



Padre Paulo Barbosa (padre?!) ajeita cuidadosamente a bandeira do MST em um carro de som (Cf. Foto). Ele foi um dos animadores – ou “agitadores” – do 19º Grito dos Excluídos, realizado no dia 07 de Setembro, em Congonhas-MG. Sobre o trio elétrico utilizado como palanque não estava representada apenas a guerrilha rural comunista-petista, que é disfarçada de “movimento social”. Paulo Barbosa – o “padre” – cedeu o microfone a militantes de partidos políticos e a lideranças estudantis FEMINISTAS-GAYZISTAS-ABORTISTAS (PT-PSTU-ANEL). Discursou um deputado federal petista que também se apresenta como “padre”: “Padre” João. Paulo Barbosa participou ainda da celebração eucarística que marcou o encerramento do evento com uma bandana verde e amarela na cabeça. Enfim, promoveu bandeiras anticristãs e os próprios inimigos da Igreja Católica. Tudo sob os aplausos da Arquidiocese de Mariana (Cf. [http://www.arqmariana.com.br/?p=30072]).

Esta é mais uma amostra dos efeitos produzidos pela Teologia da Libertação. O arremedo de religiosidade forjado para instrumentalizar a Igreja Católica – e os seus fiéis – em favor da revolução Socialista-Comunista.


ARTIGO RECOMENDADO.

PACEPA, Ion Mihai. “A Cruzada religiosa do Kremlin” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/04/a-cruzada-religiosa-do-kremlin.html]. A “história não contada” da Teologia da Libertação.


NOTA.

I. Congregação do Santo Ofício, 1949. (1) “É permitido aderir ao partido comunista ou favorecê-lo de alguma maneira? Não. O comunismo é de fato materialista e anticristão; embora declarem às vezes em palavras que não atacam a religião, os comunistas demonstram de fato, quer pela doutrina, quer pelas ações, que são hostis a Deus, à verdadeira religião e à Igreja de Cristo [...] (4) Fiéis cristãos que professam a doutrina materialista e anticristã do comunismo, e sobretudo os que as defendem e propagam, incorrem pelo próprio fato, como apóstatas da fé católica, na excomunhão reservada de modo especial à Sé Apostólica? Sim.”

II. Congregação do Santo Ofício, 1959. “É permitido aos cidadãos católicos, ao elegerem os representantes do povo, darem seu voto a partidos ou a candidatos que, mesmo se não proclamam princípios contrários à doutrina católica e até reivindicam o nome de cristãos, apesar disto se unem de fato aos comunistas e os apoiam por sua ação? Não, segundo a diretiva do Decreto do Santo Ofício de 1o. de Julho de 1949, n.1 [3865]”
Cf. BRAGA, Bruno. “Um alerta aos católicos” [http://b-braga.blogspot.com.br/2012/05/um-alerta-aos-catolicos.html].


Nota publicada no Facebook em 13 de Setembro de 2013.


Notas VI. MÉDICOS CUBANOS - PT - Ditadura Castro - e o projeto Socialista-Comunista latino-americano.

Bruno Braga.


I.

MÉDICOS CUBANOS. O Brasil sob as ordens dos ditadores Castro.

Os militantes revolucionários babam e arrotam por todos os cantos: “soberania”, “independência” e “autodeterminação”! Porém, eles se fazem de desentendidos – em muitos casos são idiotas mesmo – quando a questão envolve os seus aliados. Por exemplo. Os termos do convênio para “importar” médicos – ou agentes – cubanos ferem de maneira obscena a Constituição Federal e a legislação nacional. Pior, eles são ditados diretamente pelos ditadores Castro. É o que estabelece o jornal “Granma” – órgão oficial do Partido Comunista Cubano – ao anunciar o acordo: o trabalho dos médicos no Brasil seguirá o modelo determinado pelo Ministério da Saúde de Cuba; e os vínculos “laboral”, “salarial” e de “seguridade social” é firmado com o regime Castro (Edição de 24 de Agosto de 2013. Cf. Foto).  

“Soberania” e “independência” têm um significado para o cidadão comum. Para a militância revolucionária – acima delas – está a “Pátria Grande” latino-americana SOCIALISTA-COMUNISTA projetada pelo Foro de São Paulo. O “Mais Médicos” – forjado pelo governo petista - é um programa deste projeto.


Nota publicada no Facebook em 18 de Setembro de 2013.


II.




MÉDICOS CUBANOS. Observatório Latino, 13 de Setembro de 2013. Graça Salgueiro fala sobre a vinda de médicos cubanos para o Brasil. Entre os tópicos abordados eu destaco os seguintes:

(1). Questões contratuais. Os “objetivos”. Lacunas e obscuridades dos termos. Infrações da legislação nacional.
(2). Agentes cubanos controladores entre os supostos médicos.
(3). Os custos e o repasse de uma soma bilionária aos ditadores Castro.
(4). Os resultados do programa na Venezuela: agentes cubanos incorporados à estrutura administrativa e política do país.
(5). Curso de Medicina em Cuba. Qualificação precária. Doutrinação ideológica – e treinamento guerrilheiro.


Nota publicada no Facebook em 18 de Setembro de 2013.


III.


MÉDICOS CUBANOS. A Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina (DENEM) é a entidade que representa os estudantes de medicina no Brasil. Ela mantém uma curiosa parceria com a Federação Estudantil Universitária de Cuba (FEU), e anualmente oferece – através do Núcleo Brasil-Cuba – estágios centrados na formação política. Para um programa que inclui uma etapa na ilha dos ditadores Castro, o edital do processo seletivo 2013 reza o seguinte:

“Com a parceria DENEM-FEU, espera-se o aprofundamento teórico e prático, além de debate sobre organização social e política NOS DOIS PAÍSES, TENDO COMO EIXO A CONSTRUÇÃO DO SOCIALISMO”. [...] “A DENEM reconhece a importância de estágios de natureza ESSENCIALMENTE POLÍTICA e dos acordos de cooperação bilaterais entre entidades parceiras, com aprofundamento nas discussões políticas, na qual o DENEM tem-se focado em realizar um acúmulo teórico nos últimos anos” (Edital 2013, p. 04 – que pode ser consultado no link [http://xa.yimg.com/kq/groups/13819218/2078489469/name/EDITAL%20NBC%202013%20CEV%20DENEM.pdf]).

Nota-se que a militância revolucionária “importada” de Cuba através do programa “Mais Médicos” reforçará o grupo de agentes disfarçados com jaleco e estetoscópio que já estão no país.   


Nota publicada no Facebook em 17 de Setembro de 2013.


IV.


MÉDICOS CUBANOS. A bandeira do MST exposta nos aeroportos do Brasil não é apenas uma cordialidade para recepcionar com boas-vindas os médicos “importados” de Cuba. O grupo de guerrilha rural Socialista-Comunista mantém uma longa parceria com a ilha dominada pelos irmãos Castro. Há 15 anos envia militantes para estudarem medicina em Cuba (Cf. vídeo). Depois de receberem uma formação deficiente – que inclui períodos de doutrinação ideológica -, retornam ao país como agentes da revolução travestidos de médicos, e fazem descaradamente a já conhecida – e FALSA – publicidade: que Cuba é um centro de referência em Medicina.



Nota publicada no Facebook em 17 de Setembro de 2013.



ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. “Notas. MÉDICOS CUBANOS. PT – Ditadura Castro – e o projeto Socialista-Comunista latino-americano” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/08/notas-medicos-cubanos-pt-ditadura.html].
______. “Notas II. MÉDICOS CUBANOS. PT – Ditadura Castro – e o projeto Socialista-Comunista latino-americano” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/08/notas-ii-medicos-cubanos-pt-ditadura.html].
______. “Notas III. MÉDICOS CUBANOS. PT – Ditadura Castro – e o projeto Socialista-Comunista latino-americano” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/08/notas-iii-medicos-cubanos-pt-ditadura.html].
______. “Notas IV. MÉDICOS CUBANOS. PT – Ditadura Castro – e o projeto Socialista-Comunista latino-americano” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/09/notas-iv-medicos-cubanos-pt-ditadura.html].
______. “Notas V. MÉDICOS CUBANOS. PT – Ditadura Castro – e o projeto Socialista-Comunista latino-americano” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/09/notas-v-medicos-cubanos-pt-ditadura.html].



Monday, September 16, 2013

Notas V. MÉDICOS CUBANOS - PT - Ditadura Castro - e o projeto Socialista-Comunista latino-americano.

Bruno Braga.


No ultimo sábado, dia 14 de Setembro, médicos “importados” de Cuba desembarcaram em Palmas, capital do Tocantins. A chegada dos profissionais – ou agentes revolucionários – vindos da ilha dos ditadores Castro não foi sem confusão.  

Jaziel Pereira Perez foi designada para atender aos jornalistas. Certamente, uma escolha feita a dedo e previamente preparada. A médica cubana afirmou que veio ao país movida apenas pelo desejo de ajudar o povo brasileiro. Porém, enquanto expressava seus nobres sentimentos, ela deixou escapar que o seu salário está todo em Cuba – ou seja, que foi apropriado pelo regime ditatorial do “Comandante” Castro.

É verdade, esta informação não é novidade. Porém, o governo federal insiste em atenuá-la para maquiar, não apenas a exploração do trabalho dos médicos cubanos, mas disfarçar a transferência de recursos para o aliado SOCIALISTA-COMUNISTA através do programa “Mais médicos”.

A entrevista de Jaziel Pereira foi subitamente interrompida – e de forma violenta e agressiva – por José Carlos, assessor de imprensa do Ministério da Saúde. Atitude que gerou uma discussão com a correspondente do jornal “Estado de São Paulo”. 


Agora, uma curiosidade. Jaziel Pereira dos Santos, a médica – ou agente – cubana, desembarcou em Brasília, no dia 23 de Agosto (Cf. foto). Naquela oportunidade, ela não falou com a imprensa. No entanto, cobria as suas malas com uma bandeira do Brasil e outra da presidente Dilma Rousseff. O flagrante já denunciava de maneira obscena o propósito da “importação” dos médicos cubanos. O ocorrido em Palmas demonstra a atuação de Jaziel Pereira – mais uma vez – na encenação montada pelos PETISTAS-SOCIALISTAS-COMUNISTAS do Foro de São Paulo.      




ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. “Notas. MÉDICOS CUBANOS. PT – Ditadura Castro – e o projeto Socialista-Comunista latino-americano” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/08/notas-medicos-cubanos-pt-ditadura.html].
______. “Notas II. MÉDICOS CUBANOS. PT – Ditadura Castro – e o projeto Socialista-Comunista latino-americano” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/08/notas-ii-medicos-cubanos-pt-ditadura.html].
______. “Notas III. MÉDICOS CUBANOS. PT – Ditadura Castro – e o projeto Socialista-Comunista latino-americano” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/08/notas-iii-medicos-cubanos-pt-ditadura.html].
______. “Notas IV. MÉDICOS CUBANOS. PT – Ditadura Castro – e o projeto Socialista-Comunista latino-americano” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/09/notas-iv-medicos-cubanos-pt-ditadura.html].



Tuesday, September 10, 2013

Notas IV. MÉDICOS CUBANOS - PT - Ditadura Castro - e o projeto Socialista-Comunista latino-americano.

Bruno Braga.


I.


MÉDICOS CUBANOS. Carlos Rafael Jorge Jiménez - médico cubano – chama a atenção de Alexandre Padilha. No dia 04 de Setembro, o Ministro da Saúde do Governo PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA foi à Câmara dos Deputados para tentar justificar a “importação” de médicos cubanos através do programa “Mais Médicos” – uma fraude forjada para transferir recursos públicos e financiar a ditadura genocida dos irmãos Castro. Acabou desmoralizado publicamente.

Lamentável, mas sintomáticas, são as vaias durante o discurso de Jiménez. Uma amostra de que a Câmara se tornou mesmo um poleiro de Socialistas-Comunistas ou “idiotas úteis” – não apenas defensores de um regime sanguinário e opressor, mas da exploração do trabalho dos próprios médicos cubanos.


Nota publicada no Facebook em 07 de Setembro de 2013.


II.


A quadrilha PETISTA-SOCIALISTA-COMUNISTA e o Foro de São Paulo trabalham diuturnamente para fazer do Brasil um CUbão. Os médicos – ou agentes revolucionários - da ilha do “Comandante” Castro foram “importados” para colaborarem com a execução do serviço. Está ai o instrumento: o COMECU – para enterrar no rabo dos brasileiros.



(*). Nota. Carro da cooperativa de médicos cubanos, prefeitura de Tauá-CE.


Nota publicada no Facebook em 04 de Setembro de 2013.


III.


“Dois pesos e duas medidas”.

Artigo de Graça Salgueiro sobre a promoção da revolução Socialista-Comunista através da “importação” de médicos – ou agentes – cubanos.    


Nota publicada no Facebook em 03 de Setembro de 2013.


IV.

MÉDICOS CUBANOS.

Médica cubana – se é que é médica mesmo – não faz questão nenhuma de esconder; pelo contrário, exibe com um sorrisinho zombeteiro – sobre a bandeira do Brasil - uma das razões para a sua “importação”.   



(*) Aeroporto Internacional de Brasília, 24 de Agosto de 2013.


Nota publicada no Facebook em 03 de Setembro de 2013.


V.


MÉDICOS CUBANOS. A farsa porcamente montada pelo governo PETISTA para transferir dinheiro à ditadura Castro – maquiando a operação com a “importação” de médicos cubanos – e fortalecer o projeto que têm em comum – o SOCIALISMO-COMUNISMO latino-americano – está sendo desmontada.

Primeiro, a revelação de que o contrato com a OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde) - que intermediará o repasse dos recursos à ditadura cubana - foi assinado antes do lançamento oficial do programa “Mais médicos”.
Agora, a confissão dos próprios médicos que foram recrutados para trabalhar no Brasil: eles já estavam sendo preparados há pelo menos 6 meses. Professores brasileiros promoveram cursos na ilha dominada pelos irmãos Castro – sem um acordo formalizado - utilizando material didático do programa “Mais Médicos”. “Agora é só revisão. Boa parte do conteúdo aprendemos lá. Um dos professores daqui conheço de vista, já deu curso em Cuba”, conta um dos médicos cubanos que desembarcou em Brasília.  



Nota publicada no Facebook em 30 de Agosto de 2013.



ARTIGOS RECOMENDADOS.

BRAGA, Bruno. “Notas. MÉDICOS CUBANOS. PT – Ditadura Castro – e o projeto Socialista-Comunista latino-americano” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/08/notas-medicos-cubanos-pt-ditadura.html].
______. “Notas II. MÉDICOS CUBANOS. PT – Ditadura Castro – e o projeto Socialista-Comunista latino-americano” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/08/notas-ii-medicos-cubanos-pt-ditadura.html].
______. “Notas III. MÉDICOS CUBANOS. PT – Ditadura Castro – e o projeto Socialista-Comunista latino-americano” [http://b-braga.blogspot.com.br/2013/08/notas-iii-medicos-cubanos-pt-ditadura.html].