Wednesday, July 11, 2012

Oposição infundada.


Bruno Braga.


Adler, em “How to read a book” [1], observa que, se o leitor – e eu amplio a consideração também para o caso de um adversário no debate - não é capaz de demonstrar que o autor, ou seu oponente de discussão, está: (a) “desinformado”; ou (b) “mal informado”; ou ainda, que (c) a articulação dos argumentos entre si, e deles com a conclusão, não têm lógica - então, a este mesmo leitor, ou debatedor, não caberia discordar [2]; exceto na hipótese de se alegar a “suspensão do juízo” para poder avaliar as considerações apresentadas e investigar melhor o assunto.

Porém, as discordâncias fundadas no “gosto” – “eu não gosto do que diz” - ou na “forte impressão” – “eu tenho a impressão de que esta concepção está equivocada” – são apenas expressões de sentimentos e de preconceitos: é uma oposição que, sem qualquer justificativa, razão ou contra argumento objetivo, funciona apenas como artifício para preservar ideias pré-concebidas ou para se salvar da derrota inevitável em um debate.   

Outra amostra deste tipo de argumentação vazia é a expressão “Eu não sei o que você quer dizer, mas acho que está errado”, que aparece não apenas em conversas e discussões ordinárias, mas também em debates públicos e até mesmo no ambiente acadêmico.

Mas, se o objetivo do leitor é a compreensão, o conhecimento – e o dos debatedores é a busca da Verdade –, então a oposição infundada dos argumentos se torna uma espécie de bloqueio. Sintoma de que a sinceridade do leitor e do debatedor está comprometida, ou pela vaidade, ou por terem, inocente, ou inconscientemente, fixado uma posição previa, assumido “um lado”. Neste último caso, qualquer concepção que desbanque os seus pré-conceitos é instantaneamente contestada: “Não!”; “Você não vai me convencer!” – ou, “Eu não sei o que você quer dizer, mas acho que está errado” [3].

Porém, o que estimula e sustenta tão fortemente este bloqueio? Que raiz resistente é essa que nem mesmo a expectativa de alcançar a Verdade é capaz de arrancá-la? É simplesmente a reação de uma pessoa que teve o orgulho arranhado ao ficar patente que não tinha fundamento o que obstinadamente defendia? É a vergonha de ter exposta a sua ignorância? Ou será a defesa cega de uma doutrina inoculada na mente e no espírito durante anos a fio? É o temor de concordar com a posição contrária e ser considerado um traidor pelo seu grupo e dele ser excluído? É o receio de ser insultado, censurado, e perder a companhia dos seus pares? É o pavor de imaginar a sua reputação manchada ou destruída?

Para avaliar a contestação infundada é necessário levar em conta as particularidades, as circunstâncias e condições de cada leitor, ou debatedor. Mas, não só isso – é preciso que eles mesmos, leitores e debatedores, façam um exame profundo de consciência, sondando, impiedosamente as dimensões mais abissais do seu interior em um sincero ato de confissão: se eles ainda estão dispostos a buscar a Verdade, é da abertura da alma que nasce o autêntico impulso em direção a ela.


Referências.

[1]. ADLER, Mortimer. How to read a Book: The art to getting a liberal education. Simon and Schuster: New York, 1967.

[2]. Cf. ADLER, 1967, p. 261.

[3]. No atual estado de coisas, as pessoas internalizaram de tal modo as concepções de “um lado”, que elas são incapazes de perceber o seu “partidarismo”. Para ilustrar, basta pensar no termo “direitista”. Ele está associado a algo censurável, repugnante, mau, embora, na maior parte dos casos, não se tenha dele qualquer conhecimento objetivo fundado – assim, acaba se transformando em uma palavra imantada, neste caso, carregada de sentimentos de repulsa.


Sugestões de leitura.

[1]. BRAGA, Bruno. “Orientações para o exercício da leitura” [http://dershatten.blogspot.com/2012/03/normal-0-21-false-false-false-pt-br-x_05.html].

[2]. Cf. BRAGA, Bruno. “Sinceridade e Conhecimento” [http://dershatten.blogspot.com/2012/02/normal-0-21-false-false-false-pt-br-x_26.html]; “O artifício de negar a Verdade para afirmar as suas próprias verdades” [http://dershatten.blogspot.com/2011/09/o-artificio-de-negar-verdade-para.html]; “As dimensões do debate intelectual” [http://dershatten.blogspot.com/2011/09/as-dimensoes-do-debate-intelectual.html].

No comments: